Ideótipo agronômico do genótipo de trigo para dupla aptidão

Publicado em: 13/04/2022
Compartilhe:

Atualmente, no Brasil, a maior utilização de genótipos de trigo com duplo propósito está concentrada na Região Sul. Em contrapartida, a grande área cultivada revela muitas microrregiões produtoras, com características edafoclimáticas específicas. Com isso, poucos genótipos são indicados para dupla aptidão, sendo crescente a necessidade de atender as carências dos produtores quanto à disponibilidade de novos genótipos.

Figura 1. Trigo em enchimento pleno dos grãos. Fonte: Daniela da Silva. Disponível em: https://elevagro.com/foto/trigo-em-enchimento-pleno-dos-graos/.


A complexidade das características reveladas em um genótipo com dupla aptidão culmina em dificuldades ao melhorista, em que uma fração é atribuída à necessidade de o genótipo expressar superioridade para os caracteres morfológicos, bromatológicos, alto rendimento de forragem e de grãos. Desta forma, a construção de um ideótipo de planta que reúna todos esses caracteres de interesse é de grande importância para orientar os melhoristas e direcionar seus esforços em um programa de melhoramento de trigo duplo propósito.



CARACTERES MORFOLÓGICOS

Para que se obtenha um genótipo competitivo e eficiente energeticamente é fundamental que o mesmo reúna caracteres morfológicos que lhe possibilite boa interceptação de radiação solar, capacidade de fixação e absorção de água, e competitividade inter e intraespecífica. A seguir, será apresentada uma relação dos caracteres determinantes para a manifestação desses atributos:


Estatura de planta: em genótipos de trigo destinados exclusivamente à produção de grãos, existe a preocupação que a altura de planta excessiva possa causar acamamento e perdas de rendimento. Entretanto, tratando-se do trigo de duplo propósito, não se tem essa preocupação devido à realização de desfolhas no período vegetativo, sendo a primeira realizada com uma altura ao redor dos 30 cm.

Nesta dinâmica, é essencial que as desfolhas ou pastejos respeitem a altura de resteva de cinco a sete centímetros do nível do solo, em que se evita a remoção do meristema apical da planta, o que resultaria em redução severa do rendimento de grãos. Além disso, é fundamental que após a última desfolha, as plantas apresentem capacidade de rebrote até atingir estatura que permita sua colheita mecanizada. Dessa forma, genótipos de trigo de duplo propósito com estatura de planta em torno de 60 cm apresentam-se adequados para produção de forragens e grãos.


Altura de inserção da espiga: espigas com alta inserção exercem maior força para o tombamento, proporcionando perdas de colheita e menor rendimento, principalmente em genótipos com baixa resistência do colmo. Genótipos com menor altura de inserção da espiga distribuem fotoassimilados mais eficientemente, em que os melhores resultados são evidenciados ao redor dos 55 cm de altura de inserção de espiga na planta.


Número de afilhos: a capacidade de afilhamento é de grande importância para o trigo de duplo propósito, estando diretamente relacionada à produção de massa verde e seca por unidade de área. Os afilhos originam-se das gemas axilares, que são estimuladas pela supressão da dominância apical em função dos cortes. Altos rendimentos são evidenciados em plantas com até quatro afilhos, entretanto, seu incremento é constantemente visado devido ao fato de ser positivamente correlacionado com produtividade de massa verde e seca por área.


Número de afilhos férteis: este caráter é relacionado ao número de espigas por unidade de área e ao rendimento de grãos. Cerca de dois a três afilhos férteis por planta são considerados adequados para incrementar a produtividade da cultura.


Diâmetro do colmo principal: o colmo possui diversas funções estruturais e fisiológicas na planta, servindo como sustentação para as folhas, estruturas reprodutivas, proporcionando a translocação de nutrientes e fotoassimilados, e ainda armazenando temporariamente as reservas. O diâmetro do colmo deve apresentar magnitude suficiente para garantir a sustentação, resistência a chuvas e ventos, mas não pode exceder limites que elevem a concentração de fibras de baixa digestibilidade. Valores ideais de diâmetro de colmo principal estão em torno de 2,5 mm.


Diâmetro do colmo dos afilhos: os colmos dos afilhos apresentam dinâmica similar aos colmos principais, mas tendem a uma menor magnitude, ao redor de 1,5 mm.


Angulação da folha bandeira: a folha bandeira apresenta função primordial no rendimento de grãos devido à sua maior longevidade e proximidade em relação à espiga. Os assimilados produzidos na folha bandeira são responsáveis por uma grande fração do enchimento de grãos. Preconiza-se a redução do ângulo de inserção da folha bandeira na planta, pois uma maior verticalidade minimizará o sombreamento das demais folhas. Nesse contexto, busca-se a seleção de genótipos de trigo de duplo propósito com ângulos de 60 a 70°.


COMPONENTES DO RENDIMENTO

O melhoramento genético do trigo duplo propósito visa a desenvolver genótipos capazes de produzir grande quantidade de forragem e grãos por unidade de área. Os componentes determinantes para o rendimento estão apresentados a seguir: 


Comprimento da espiga: as espigas e suas estruturas possuem maiores benefícios quanto à utilização da radiação solar incidente, pois estão em uma posição privilegiada no dossel de plantas. Além disso, permanecem verdes e funcionais durante um longo período e contribuem significantemente para o enchimento de grãos. O comprimento da espiga caracteriza-se como um importante componente do rendimento, pois correlaciona-se com o incremento do número de espiguetas e massa de grãos por espiga. Buscam-se genótipos de trigo com duplo propósito em que as espigas possuam de seis a oito centímetros. 


Massa da espiga: preconiza-se genótipos capazes de produzir espigas com elevada massa, entretanto é fundamental que sua maior fração seja composta por grãos. 


Número de grãos por espiga: morfologicamente este caráter é dependente do número de espiguetas por espiga, de flores por espigueta e da eficiência de polinização e fertilização. Seu incremento é preconizado por programas de melhoramento, desde que não seja acompanhado pela redução da massa de grãos por espiga. Para o trigo de duplo propósito, prioriza-se de 20 a 25 grãos por espiga.


Massa de grãos por espiga: caracteriza-se como um dos componentes do rendimento mais visado pelo melhoramento genético. Entretanto, sua manifestação fenotípica é altamente influenciada pela ação do ambiente de cultivo. Busca-se selecionar genótipos com massa de grãos por espiga superior a 0,6 gramas. 


Massa de mil grãos: evidencia-se a seleção de genótipos de trigo de duplo propósito nos quais a massa de mil grãos seja superior a 23 gramas.


Peso hectolítrico (pH): pode ser compreendido como indicador indireto da qualidade dos grãos e prioriza-se a seleção de genótipos com peso hectolítrico superior a 78.


Rendimento de massa verde e seca por unidade de área: nas práticas de seleção intrínsecas ao melhoramento genético de trigo duplo propósito buscam-se as máximas produtividades e acúmulos de biomassa, com preferência para genótipos que evidenciem mais de 2000 kg ha-1 de matéria seca, sendo esta com alto valor nutricional e digestibilidade.

COMPONENTES BROMATOLÓGICOS

Proteína bruta: as proteínas atuam de diversas formas no organismo dos animais, desempenhando funções estruturais, regulatórias e fisiológicas. A presença de proteínas na dieta é fundamental, tanto para animais em desenvolvimento quanto em produção, em que corresponde à fração mais onerosa da dieta diária. A concentração de proteínas nas forragens é dependente das características do genótipo, do estádio fenológico de desenvolvimento, número de cortes e nível tecnológico utilizado na propriedade. Buscam-se selecionar genótipos de trigo duplo propósito que evidenciem magnitudes de 6% a 23% de proteína bruta na forragem.


Lipídios totais ou extrato etéreo: este atributo é composto por óleos, ceras, ácidos orgânicos, pigmentos, esteróis e vitaminas lipossolúveis. Pode desempenhar funções energéticas e metabólicas no organismo animal. Nesse contexto, pode-se selecionar genótipos com 1,6 a 4,8% de acúmulo de lipídios na forragem.


Fibra em detergente neutro (FDN): caracteriza-se como o componente bromatológico que melhor representa os conteúdos da parede celular, sendo fundamental aos ruminantes, bem como na manutenção do funcionamento do rúmen. Da mesma forma, seu excesso pode limitar a ingestão de matéria seca pelos animais. Sua magnitude pode variar de acordo com as características genéticas, número de cortes e estádio fenológico de desenvolvimento das plantas. Buscam-se selecionar genótipos de trigo duplo propósito com acúmulos de 27 a 54% de FDN.


Fibra em detergente ácido (FDA): apresenta-se constituída por polissacarídeos estruturais, sendo fibras de digestão lenta que podem incrementar a taxa de passagem do alimento no trato digestivo dos ruminantes. Diante disso, buscam-se selecionar genótipos com frações de FDA inferiores a 25%.


Lignina: caracteriza-se como um polissacarídeo constituinte da parede celular das plantas. Altas concentrações interferem negativamente na digestibilidade dos tecidos e redução no consumo de matéria seca pelos animais. A síntese de lignina é naturalmente intensificada ao longo dos estádios fenológicos das plantas, entretanto, o melhoramento genético prioriza a seleção de genótipos com concentrações inferiores a 5% de lignina na forragem.


Celulose: apresenta-se como um polissacarídeo abundante na natureza e principal constituinte das paredes celulares das plantas. Dentre as estratégias de seleção, buscam-se identificar genótipos de trigo de duplo propósito com concentrações intermediárias de 20 a 34%.  


Material mineral ou fração inorgânica: evidencia-se como a fração inorgânica ou as cinzas, que representam o montante dos minerais contidos na forragem. Busca-se selecionar genótipos que apresentem em torno de 8% de fração inorgânica em seus tecidos.


Carboidratos não fibrosos e carboidratos totais: os carboidratos não fibrosos apresentam disponibilidade nutricional rápida, completa e constante. Em contrapartida, os carboidratos fibrosos são formados pela celulose e hemicelulose, que evidenciam lenta digestão e disponibilidade nutricional aos animais ruminantes. Preconiza-se identificar genótipos com 80% de carboidratos totais e no mínimo 25% de carboidratos não fibrosos contidos na forragem.

REFERÊNCIAS

SILVA, J. A. G.; CARVALHO, I. R.; MAGANO, D. A. (org.). A cultura da aveia: da semente ao sabor de uma espécie multifuncional. Curitiba: CRV, 2020.

CARVALHO, I. R.; SZARESKI, V. J.; NARDINO, M.; VILLELA, F. A.; SOUZA, V. Q. Melhoramento e produção de sementes de culturas anuais: soja, milho, trigo e feijão. Saarbrücken, Germany: Ommi Scriptum Publishing Group, 2018.

CARVALHO, I. R.; NARDINO, M.; SOUZA, V. Q. Melhoramento e cultivo da soja. Porto Alegre: Cidadela, 2017.

Breve descrição (até 2 linhas) do que é o material: Conheça os componentes morfológicos, de rendimento e bromatológicos desejados para um genótipo de trigo dupla aptidão, para que seja competitivo e eficiente energeticamente.


Autores:

Ivan Ricardo Carvalho – Professor Pós-Doutor – Melhorista de Grãos da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Danieli Jacoboski Hutra – Engenheira Agrônoma – Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Aline Luiza Schmidt – Estudante de Graduação em Agronomia da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Gabriel dos Santos Schwingel – Estudante de Graduação em Agronomia da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul


Atualmente, no Brasil, a maior utilização de genótipos de trigo com duplo propósito está concentrada na Região Sul. Em contrapartida, a grande área cultivada revela muitas microrregiões produtoras, com características edafoclimáticas específicas. Com isso, poucos genótipos são indicados para dupla aptidão, sendo crescente a necessidade de atender as carências dos produtores quanto à disponibilidade de novos genótipos.

Figura 1. Trigo em enchimento pleno dos grãos. Fonte: Daniela da Silva. Disponível em: https://elevagro.com/foto/trigo-em-enchimento-pleno-dos-graos/.


A complexidade das características reveladas em um genótipo com dupla aptidão culmina em dificuldades ao melhorista, em que uma fração é atribuída à necessidade de o genótipo expressar superioridade para os caracteres morfológicos, bromatológicos, alto rendimento de forragem e de grãos. Desta forma, a construção de um ideótipo de planta que reúna todos esses caracteres de interesse é de grande importância para orientar os melhoristas e direcionar seus esforços em um programa de melhoramento de trigo duplo propósito.



CARACTERES MORFOLÓGICOS

Para que se obtenha um genótipo competitivo e eficiente energeticamente é fundamental que o mesmo reúna caracteres morfológicos que lhe possibilite boa interceptação de radiação solar, capacidade de fixação e absorção de água, e competitividade inter e intraespecífica. A seguir, será apresentada uma relação dos caracteres determinantes para a manifestação desses atributos:


Estatura de planta: em genótipos de trigo destinados exclusivamente à produção de grãos, existe a preocupação que a altura de planta excessiva possa causar acamamento e perdas de rendimento. Entretanto, tratando-se do trigo de duplo propósito, não se tem essa preocupação devido à realização de desfolhas no período vegetativo, sendo a primeira realizada com uma altura ao redor dos 30 cm.

Nesta dinâmica, é essencial que as desfolhas ou pastejos respeitem a altura de resteva de cinco a sete centímetros do nível do solo, em que se evita a remoção do meristema apical da planta, o que resultaria em redução severa do rendimento de grãos. Além disso, é fundamental que após a última desfolha, as plantas apresentem capacidade de rebrote até atingir estatura que permita sua colheita mecanizada. Dessa forma, genótipos de trigo de duplo propósito com estatura de planta em torno de 60 cm apresentam-se adequados para produção de forragens e grãos.


Altura de inserção da espiga: espigas com alta inserção exercem maior força para o tombamento, proporcionando perdas de colheita e menor rendimento, principalmente em genótipos com baixa resistência do colmo. Genótipos com menor altura de inserção da espiga distribuem fotoassimilados mais eficientemente, em que os melhores resultados são evidenciados ao redor dos 55 cm de altura de inserção de espiga na planta.


Número de afilhos: a capacidade de afilhamento é de grande importância para o trigo de duplo propósito, estando diretamente relacionada à produção de massa verde e seca por unidade de área. Os afilhos originam-se das gemas axilares, que são estimuladas pela supressão da dominância apical em função dos cortes. Altos rendimentos são evidenciados em plantas com até quatro afilhos, entretanto, seu incremento é constantemente visado devido ao fato de ser positivamente correlacionado com produtividade de massa verde e seca por área.


Número de afilhos férteis: este caráter é relacionado ao número de espigas por unidade de área e ao rendimento de grãos. Cerca de dois a três afilhos férteis por planta são considerados adequados para incrementar a produtividade da cultura.


Diâmetro do colmo principal: o colmo possui diversas funções estruturais e fisiológicas na planta, servindo como sustentação para as folhas, estruturas reprodutivas, proporcionando a translocação de nutrientes e fotoassimilados, e ainda armazenando temporariamente as reservas. O diâmetro do colmo deve apresentar magnitude suficiente para garantir a sustentação, resistência a chuvas e ventos, mas não pode exceder limites que elevem a concentração de fibras de baixa digestibilidade. Valores ideais de diâmetro de colmo principal estão em torno de 2,5 mm.


Diâmetro do colmo dos afilhos: os colmos dos afilhos apresentam dinâmica similar aos colmos principais, mas tendem a uma menor magnitude, ao redor de 1,5 mm.


Angulação da folha bandeira: a folha bandeira apresenta função primordial no rendimento de grãos devido à sua maior longevidade e proximidade em relação à espiga. Os assimilados produzidos na folha bandeira são responsáveis por uma grande fração do enchimento de grãos. Preconiza-se a redução do ângulo de inserção da folha bandeira na planta, pois uma maior verticalidade minimizará o sombreamento das demais folhas. Nesse contexto, busca-se a seleção de genótipos de trigo de duplo propósito com ângulos de 60 a 70°.


COMPONENTES DO RENDIMENTO

O melhoramento genético do trigo duplo propósito visa a desenvolver genótipos capazes de produzir grande quantidade de forragem e grãos por unidade de área. Os componentes determinantes para o rendimento estão apresentados a seguir: 


Comprimento da espiga: as espigas e suas estruturas possuem maiores benefícios quanto à utilização da radiação solar incidente, pois estão em uma posição privilegiada no dossel de plantas. Além disso, permanecem verdes e funcionais durante um longo período e contribuem significantemente para o enchimento de grãos. O comprimento da espiga caracteriza-se como um importante componente do rendimento, pois correlaciona-se com o incremento do número de espiguetas e massa de grãos por espiga. Buscam-se genótipos de trigo com duplo propósito em que as espigas possuam de seis a oito centímetros. 


Massa da espiga: preconiza-se genótipos capazes de produzir espigas com elevada massa, entretanto é fundamental que sua maior fração seja composta por grãos. 


Número de grãos por espiga: morfologicamente este caráter é dependente do número de espiguetas por espiga, de flores por espigueta e da eficiência de polinização e fertilização. Seu incremento é preconizado por programas de melhoramento, desde que não seja acompanhado pela redução da massa de grãos por espiga. Para o trigo de duplo propósito, prioriza-se de 20 a 25 grãos por espiga.


Massa de grãos por espiga: caracteriza-se como um dos componentes do rendimento mais visado pelo melhoramento genético. Entretanto, sua manifestação fenotípica é altamente influenciada pela ação do ambiente de cultivo. Busca-se selecionar genótipos com massa de grãos por espiga superior a 0,6 gramas. 


Massa de mil grãos: evidencia-se a seleção de genótipos de trigo de duplo propósito nos quais a massa de mil grãos seja superior a 23 gramas.


Peso hectolítrico (pH): pode ser compreendido como indicador indireto da qualidade dos grãos e prioriza-se a seleção de genótipos com peso hectolítrico superior a 78.


Rendimento de massa verde e seca por unidade de área: nas práticas de seleção intrínsecas ao melhoramento genético de trigo duplo propósito buscam-se as máximas produtividades e acúmulos de biomassa, com preferência para genótipos que evidenciem mais de 2000 kg ha-1 de matéria seca, sendo esta com alto valor nutricional e digestibilidade.

COMPONENTES BROMATOLÓGICOS

Proteína bruta: as proteínas atuam de diversas formas no organismo dos animais, desempenhando funções estruturais, regulatórias e fisiológicas. A presença de proteínas na dieta é fundamental, tanto para animais em desenvolvimento quanto em produção, em que corresponde à fração mais onerosa da dieta diária. A concentração de proteínas nas forragens é dependente das características do genótipo, do estádio fenológico de desenvolvimento, número de cortes e nível tecnológico utilizado na propriedade. Buscam-se selecionar genótipos de trigo duplo propósito que evidenciem magnitudes de 6% a 23% de proteína bruta na forragem.


Lipídios totais ou extrato etéreo: este atributo é composto por óleos, ceras, ácidos orgânicos, pigmentos, esteróis e vitaminas lipossolúveis. Pode desempenhar funções energéticas e metabólicas no organismo animal. Nesse contexto, pode-se selecionar genótipos com 1,6 a 4,8% de acúmulo de lipídios na forragem.


Fibra em detergente neutro (FDN): caracteriza-se como o componente bromatológico que melhor representa os conteúdos da parede celular, sendo fundamental aos ruminantes, bem como na manutenção do funcionamento do rúmen. Da mesma forma, seu excesso pode limitar a ingestão de matéria seca pelos animais. Sua magnitude pode variar de acordo com as características genéticas, número de cortes e estádio fenológico de desenvolvimento das plantas. Buscam-se selecionar genótipos de trigo duplo propósito com acúmulos de 27 a 54% de FDN.


Fibra em detergente ácido (FDA): apresenta-se constituída por polissacarídeos estruturais, sendo fibras de digestão lenta que podem incrementar a taxa de passagem do alimento no trato digestivo dos ruminantes. Diante disso, buscam-se selecionar genótipos com frações de FDA inferiores a 25%.


Lignina: caracteriza-se como um polissacarídeo constituinte da parede celular das plantas. Altas concentrações interferem negativamente na digestibilidade dos tecidos e redução no consumo de matéria seca pelos animais. A síntese de lignina é naturalmente intensificada ao longo dos estádios fenológicos das plantas, entretanto, o melhoramento genético prioriza a seleção de genótipos com concentrações inferiores a 5% de lignina na forragem.


Celulose: apresenta-se como um polissacarídeo abundante na natureza e principal constituinte das paredes celulares das plantas. Dentre as estratégias de seleção, buscam-se identificar genótipos de trigo de duplo propósito com concentrações intermediárias de 20 a 34%.  


Material mineral ou fração inorgânica: evidencia-se como a fração inorgânica ou as cinzas, que representam o montante dos minerais contidos na forragem. Busca-se selecionar genótipos que apresentem em torno de 8% de fração inorgânica em seus tecidos.


Carboidratos não fibrosos e carboidratos totais: os carboidratos não fibrosos apresentam disponibilidade nutricional rápida, completa e constante. Em contrapartida, os carboidratos fibrosos são formados pela celulose e hemicelulose, que evidenciam lenta digestão e disponibilidade nutricional aos animais ruminantes. Preconiza-se identificar genótipos com 80% de carboidratos totais e no mínimo 25% de carboidratos não fibrosos contidos na forragem.

REFERÊNCIAS

SILVA, J. A. G.; CARVALHO, I. R.; MAGANO, D. A. (org.). A cultura da aveia: da semente ao sabor de uma espécie multifuncional. Curitiba: CRV, 2020.

CARVALHO, I. R.; SZARESKI, V. J.; NARDINO, M.; VILLELA, F. A.; SOUZA, V. Q. Melhoramento e produção de sementes de culturas anuais: soja, milho, trigo e feijão. Saarbrücken, Germany: Ommi Scriptum Publishing Group, 2018.

CARVALHO, I. R.; NARDINO, M.; SOUZA, V. Q. Melhoramento e cultivo da soja. Porto Alegre: Cidadela, 2017.

Breve descrição (até 2 linhas) do que é o material: Conheça os componentes morfológicos, de rendimento e bromatológicos desejados para um genótipo de trigo dupla aptidão, para que seja competitivo e eficiente energeticamente.


Autores:

Ivan Ricardo Carvalho – Professor Pós-Doutor – Melhorista de Grãos da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Danieli Jacoboski Hutra – Engenheira Agrônoma – Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Sistemas Ambientais e Sustentabilidade da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Aline Luiza Schmidt – Estudante de Graduação em Agronomia da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Gabriel dos Santos Schwingel – Estudante de Graduação em Agronomia da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul


Autor(a)

Dr. Ivan Ricardo Carvalho

FOTOS MAIS ACESSADAS:
VOCÊ PODE GOSTAR:

Você precisa fazer login para postar comentários!