2 dicas de boas práticas nas aplicações terrestres de herbicidas sistêmicos Publicado em:
Para assistir ao vídeo, clique aqui e torne-se Premium

Veja neste vídeo como a cobertura, a redução de deriva e o volume de calda podem promover maior eficiência na aplicação de herbicidas sistêmicos.

 

Para termos sucesso no controle de plantas daninhas, é fundamental observarmos a tecnologia de aplicação para termos resultados com economia e segurança. A tecnologia de aplicação consiste em um conjunto de conhecimentos que proporcionam a correta colocação do produto biologicamente ativo no alvo (MATUO, 1990), desde a formação da calda de pulverização até a deposição do ativo e a absorção pela planta daninha, influenciando diretamente a eficácia de controle dos herbicidas.

Neste vídeo, o Dr. Rodolfo Chechetto apresenta duas dicas valiosas para tornar o controle das plantas daninhas com herbicidas sistêmicos mais eficiente. As dicas do professor consistem em: 

1 – Deposição e técnicas para a redução de deriva - TRDs 

De maneira geral, os produtos com maior ação sistêmica, como os herbicidas 2,4-D, glifosato e dicamba, quando direcionados às folhas, devem ser aplicados com gotas maiores. Isto facilita a adoção de TRDs, melhorando a segurança ambiental da aplicação e aumentando a eficiência operacional. 

2 – Volume de calda (L Ha-1)

O volume de calda é um fator que deve ser discutido sempre em conjunto com o tamanho das gotas que serão aplicadas, visto que é a interação entre estes dois fatores que definirá a qualidade da aplicação, principalmente no que se refere ao potencial de cobertura dos alvos. 

 

Gostou deste conteúdo e quer saber mais sobre tecnologia de aplicação voltada aos herbicidas sistêmicos? Clique no link abaixo e conheça o curso do qual este conteúdo faz parte:

Tecnologia de aplicação de herbicidas sistêmicos: Aplicação eficiente e segura

 

Referências:

MATUO, T. Técnicas de aplicação de defensivos agrícolas. Jaboticabal: FUNEP, 1990. 139 p.

Confira também!

Autor(es)