Plantas de cobertura no manejo de plantas daninhas Publicado em:

O manejo de plantas daninhas infestantes envolve a associação de diversas práticas de manejo que visam reduzir a infestação e multiplicação nas áreas agrícolas, reduzindo a competição e interferência na cultura de interesse econômico. O controle químico é a principal estratégia utilizada, em função da praticidade e rápida resposta em controle, porém vem perdendo eficácia ao longo do tempo pela seleção de plantas resistentes e tolerantes a alguns mecanismos de ação, dificultando ainda mais o manejo. Diante do cenário atual, tem-se a necessidade da integração com as demais estratégias de manejo, dentre as quais está a adoção de plantas de cobertura com objetivo principal de “pousio zero”, ou seja, após a safra ou safrinha não deixar a lavoura sem a presença de cobertura vegetal, reduzindo a germinação e multiplicação das plantas daninhas na entressafra.

A utilização de plantas de cobertura nos diferentes sistemas de produção, além dos benefícios a fertilidade do solo, redução de erosão e ao sistema como um todo, é uma excelente estratégia no manejo das plantas daninhas. A germinação das plantas daninhas é dependente da interação de fatores como temperatura, umidade e luz (presença ou ausência), variando de acordo com a espécie. As plantas de cobertura formam uma barreira física reduzindo a quantidade de luz que incide sobre o solo e a amplitude térmica, influenciando negativamente na germinação das plantas daninhas que necessitam de luz para iniciar o processo de germinação (fotoblásticas positivas), as quais podem ser observadas na tabela 1.

Tabela 1. Descrição da característica de germinação em resposta a exposição à luz para algumas espécies de plantas invasoras.

A cultura implantada ou a palha sobre o solo exercem efeitos diretos a curto e médio prazo na supressão do fluxo de emergência do banco de sementes das plantas daninhas que necessitam de luz para a germinação, além de efeitos indiretos como supressão biológica sobre o banco de sementes (fotoblásticas positivas, negativas e neutras), reduzindo a longevidade e viabilidade dos propágulos presentes no solo. Com o atraso na emergência das plantas daninhas a cultura de interesse econômico tem uma vantagem competitiva, ou seja, “frente competitiva”, emergindo e desenvolvendo sem interferência e competição inicial com a cultura.

 Você também pode gostar destes conteúdos:

 • Gravação da Palestra Online: Plantas de cobertura e a sustentabilidade na produção de grãos;

Curso Online: Manejo de Plantas Daninhas em soja.


Alguns exemplos de plantas daninhas de difícil controle como a Buva (Conyza spp.), presente em quase todo o território nacional e com confirmação de resistência a alguns herbicidas como o glifosato, e a Vassourinha-de-botão (Spermacoce spp.) planta tolerante ao glifosato e de difícil controle com os demais mecanismos de ação disponíveis quando fora de estádio, são exemplos práticos de sucesso no controle com a utilização de plantas de cobertura, reduzindo a germinação, infestação e facilitando o manejo integrado com as demais estratégias. 

Figura 1. Lavoura de soja implantada sobre palha de braquiária sem plantas daninhas. (Foto: Renan Teston)
Figura 2. Lavoura de soja implantada sobre palha de braquiária mal estabelecida, com presença de plantas daninhas. (Foto: Renan Teston).

A escolha da planta de cobertura (espécie) a ser implantada visando controle de plantas daninhas deve levar em consideração alguns fatores, dentre eles o rápido crescimento inicial, boa produção de massa seca, produção de substancias alelopáticas, uniformidade na cobertura do solo, decomposição lenta dos resíduos culturais (relação C/N maior) com isso se tem um maior tempo de cobertura do solo, além de custo de implantação e demais benefícios ao sistema.

O rápido crescimento é desejado para que a cobertura se estabeleça antes da germinação das plantas infestantes e bloqueie a incidência de luz sobre o solo, e a alta produção de massa seca associado a maior relação C/N faz com que a cobertura do solo seja mais uniforme e espeça, além de permanecer por mais tempo sobre o solo retardando o fluxo de emergência das plantas invasoras.

Dentre as espécies de cobertura cultivadas atualmente temos algumas que atendem melhor aos requisitos para manejo de plantas daninhas, dentre elas a Aveia-Preta (Avena sativa), Centeio (Secale cereale) e a associação de diferentes espécies (mix de coberturas) para regiões de clima ameno e frio, e para regiões de cerrado principalmente as gramíneas como as Braquiárias (Brachiaria spp.), Mombaça (Panicum maximum), Milheto (Pennisetum glaucum) e Capim-Sudão (Sorghum sudanense).

É importante que sejam respeitadas as recomendações de plantio para cada cultura de cobertura a fim de obter máxima performance em produção de biomassa e supressão sobre as plantas daninhas.


Referências

DIAS, A.C.R., CARVALHO, S.J.P., BRANCALION, P.H.S., NOVEMBRE, A.D.L.C., CHRISTOFFOLETI, P.J. Germinação de sementes aéreas pequenas de trapoeraba (Commelina benghalensis). Planta Daninha, Viçosa Minas Gerais, v. 27, p. 931-939, 2009.

FELIPPE, G. M., POLO, M. Germinação de ervas invasoras: efeito de luz e escarificação. Revista Brasileira Botânica, Campinas, V. 6, p.55-60, 1983.

FERREIRA, D. T. R. G.,SILVA, V. M.,SILVA, I. C.,ARAUJO NETO, J. C.,SOUZA, R. C., FERREIRA, V. M. Germinação de três Euphorbiaceae influenciada pela luz e níveis de palhada. Revista Agro@mbiente On-line, v. 11, n. 3, p. 215-222, julho-setembro, 2017.

LOURENÇO, M. F. C. Manejo químico de vassourinha-de-botão (Spermacoce sp.) na cultura da soja. Dissertação (graduação em mestrado profissional em proteção de plantas), Instituto Federal Goiano, Câmpus Urutaí, 2018.

MARQUES, R. P., MARTINS, D., COSTA, S. Í. A., VITORINO, H. S. Densidades de palha e condições de luminosidade na germinação de sementes de Euhphorbia heterophylla. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 33, n. 3, p. 867-872, maio-junho, 2012.

MONDO, V. H. V., CARVALHO, S. J. P., DIAS, A. C. R., MARCOS FILHO, J. Efeitos da luz e temperatura na germinação de sementes de quatro espécies de plantas daninhas do gênero Digitaria. Revista Brasileira de Sementes, v. 32, n. 1, p.131-137, 2010.

ORZARI, I., MONQUERO, P.A., REIS, F.C., SABBAG, R.S., HIRATA, A.C.S. Germinação de espécies da família Convolvulaceae sob diferentes condições de luz, temperatura e profundidade de semeadura. Planta Daninha, Viçosa Minas Gerais, v. 31, n. 1, p. 53-61, 2013.

SALVADOR, F. L. Germinação e emergência de plantas daninhas em função da luz e da palhada de cana de açúcar (Saccharum spp). Dissertação (mestrado) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba, 2007.

VIDAL,R.A.,KALSING,A.,GOULART,I.C.G.R.,LAMEGO,F.P.,CHRISTOFFOLETI,P.J. Impacto da temperatura, irradiância e profundidade das sementes na emergência e germinação de Conyza bonariensis e Conyza canadensis resistentes ao glyphosate. Planta Daninha, Viçosa Minas Gerais, v. 25, n. 2, p. 309-315, 2007.

DELACHIAVE, M.E.A., PINHO, S.Z. Scarification, temperature and light in germination of Senna occidentalis seed (Caesalpinaceae). Seed Science and Technology, v. 31, n. 2, p. 225-230, Julho 2003.

SALVADOR, F.L., VICTORIA FILHO, R., ALVES, A.S.R., SIMONI, F., SAN MARTIN, H.A.M. Efeito da luz e da quebra de dormência na germinação de sementes de espécies de plantas daninhas. Planta Daninha, Viçosa Minas Gerais, v. 25, n. 2, p. 303-308, 2007.

CARMONA, R., MARTINS, C. R., FÁVERO, A. P. Fatores que afetam a germinação de sementes de gramíneas nativas do cerrado. Revista Brasileira de Sementes, v. 20, n. 1, p.16-22, 1998.

PARREIRA, M. C., CARDOZO, N. P., GIANCOTTI, P. R. F., ALVES, P. L. C. A. Superação de dormência e influência dos fatores ambientais na germinação de sementes de Spermacoce latifólia. Revista Brasileira Ciência Agrária, Recife, v.6, n.3, p.427-431, 2011.

Autor(es)

Confira também