Mancha-Branca em milho: danos, sintomas e controle Publicado em:

Doenças em milho

Neste material você vai conhecer um pouco mais sobre:

  • Os danos causados pela doença
  • A epidemiologia do patógeno
  • Sintomas e medidas de controle

Este conteúdo faz parte do curso Manejo de doenças em milho: danos, epidemiologia, sintomas e controle


Danos

Para a Mancha-Branca ou Mancha por Phaeosphaeria, como também é conhecida, os danos dependem das condições ambientais e do estágio fenológico no qual a planta é infectada. A doença causa sérios danos ao processo de enchimento de grãos, levando à seca prematura da planta, com redução do ciclo e quedas acentuadas no tamanho e no peso dos grãos.

Folhas com severidade próxima a 20% podem ter a taxa fotossintética líquida reduzida em até 50%. Sob condições favoráveis ao desenvolvimento da doença, pode ocorrer redução na produção superior a 60%. A severidade da infecção é dependente da susceptibilidade das cultivares e das condições ambientais.

Epidemiologia


O inóculo primário é oriundo de restos culturais e as condições ambientais favoráveis à ocorrência da doença são: precipitação elevada, alta umidade relativa e baixas temperaturas noturnas (14 - 16 oC).  

O patógeno Phaeosphaeria maydis ainda sobrevive no solo por muito tempo, na forma de clamidósporos, ou ainda em restos culturais. Portanto, ao longo das safras, um aumento na concentração de inóculo pode ocorrer em áreas onde se utiliza o Sistema de Plantio Direto, tornando as lavouras de milho mais sujeitas à ocorrência da doença em alta severidade.

Sintomas

Inicialmente, as lesões são circulares, aquosas e verde-claras. Posteriormente, passam a necróticas, de cor palha, de circulares a elípticas, com diâmetro variando de 0,3 cm a 1,0 cm. 

Geralmente, os sintomas iniciais ocorrem nas folhas inferiores, com rápida progressão às superiores. O elevado nível de severidade ocorre após o VT (pendoamento), quando as lesões podem atingir as palhas das espigas. Pode haver coalescência das lesões, o que leva à necrose parcial ou total da folha.

Figura 1. sintomas característicos de Mancha Branca (Phaeosphaeria maydis): 1 e 2 - sintomas iniciais; 3 e 4 - lesões necróticas em início de coalescência.
Figura 1. sintomas característicos de Mancha Branca (Phaeosphaeria maydis): 1 e 2 - sintomas iniciais; 3 e 4 - lesões necróticas em início de coalescência.

Medidas de controle

As medidas de controle devem ser baseadas no uso de cultivares resistentes, escolha de melhor época e local de plantio, adubação equilibrada e aplicação de fungicidas.

 

Gostou deste conteúdo e quer saber mais sobre outras doenças do milho?

Conheça o curso   

 

REFERÊNCIAS

AMARAL, A. D.; DAL SOGLIO, F. K.; CARLI, M. L. de; BARBOSA NETO, J. F. Pathogenic fungi causing symptoms similar to Phaeosphaeria leaf spot of maize in Brazil. Plant Disease, v. 89, p. 44-49, 2005.
BENDENDO, I. P.; BERGAMIN, F. A. et al. Manual de Fitopatologia:
princípios e conceitos. 3. ed. São Paulo: Ceres, 1995.
BERGSTROM, G. C.; NICHOLSON, R. L. The biology of corn anthracnose: knowledge to exploit for improved management. Plant Disease, v. 83, p. 596-608, 1999.
CASELA, C. R. A Cercosporiose na Cultura do Milho. Embrapa, 2003. (Circular técnica, 24).
CASELA, C. R.; FERREIRA A. S. A., PINTO, N. F. J. Doenças da cultura do milho. Brasília: Embrapa, 2006. (Circular técnica, 83).
COSTA, R. V.; FERREIRA, A. S.; CASELA, C. R.; SILVA, D. D. Podridões fúngicas de colmo na cultura do milho. Sete Lagoas: Embrapa Milho e Sorgo, 2008. (Circular técnica, 100). 
DONALD G. W. Compendium of corn disease. 2. ed. Urbana: American Phytopathological Society, 1999.
EMBRAPA Milho e Sorgo. Cultivo do Milho. Disponível em: http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br. Acesso em: 18 set. 2019. 
FERREIRA, A. da S. Antracnose do sorgo (Colletotrichum graminicola). Sete Lagoas: Embrapa Milho e Sorgo, 1998.
GUZMÁN, B. L. Enfermedades de las plantas cultivadas. 4. ed. Universidad Catolica de Chile, 1995.
MCGEE, D. C. Maize diseases: a reference source for seed technologists. 1988.
PLANTWISE KNOWLEDGE BANK. Red stalk rot of cereals (Colletotrichum graminicola). Disponível em: http://www.plantwise.org/knowledgebank/datasheet.aspx?dsid=14912. Acesso em: 18 set. 2019. 
SABANATO, E., O.; PINTO, N., F., J., A.; FERNANDES, F. T. Identificação e controle de doenças na cultura do milho. 2. ed. revista e ampliada. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 2013.
WARD, J. M. J.; STROMBERG, E. L.; NOWELL, D.C.; NUTTER JR., F. W. Gray leaf spot – a disease of global importance in maize production. Plant Disease, v. 83, p. 884-895, 1999. 

Confira também!

Autor(es)