Quais herbicidas utilizar para controle de erva-quente (Spermacoce latifolia) na soja?

Publicado em: 22/02/2022
Compartilhe:

erva-quente é considerada uma planta daninha de difícil controle.

Quando as plantas encontram-se em estágio avançado de crescimento apresentam elevada tolerância ao glifosato e alta capacidade de rebrote em casos de dessecação com herbicidas de contato.  


Planta adulta de erva quente sob ação do glifosato
Planta adulta de erva-quente sob ação do glifosato

 

Na cultura da soja, esta planta daninha poderá ser manejada em diferentes momentos de aplicação com diferentes herbicidas:

 

Dessecação pré-semeadura

Importante não deixar as plantas de erva-quente atingirem estágios avançados de crescimento, pois mesmo herbicidas sistêmicos como o 2,4-D tem sua eficácia muito afetada quando usado nas chamadas aplicações tardias (após 8 folhas).

Dentre os sistêmicos, além do 2,4-D e do próprio glifosato, temos o clorimuron e o imazetapir, os quais infelizmente têm uma eficácia menor, entregando controle abaixo de 80% mesmo que aplicados sobre plântulas novas.


Produtos de contato como paraquate, flumioxazin, saflufenacil e glufosinato de amônio devem também ser utilizados preferencialmente em plantas em estágio mais inicial de crescimento (até 6 folhas), pois como mencionado há grandes chances de rebrota em plantas mais velhas, como ocorre também em poaia-branca, uma parente próxima da erva-quente.

Lembre-se de que no caso de utilização de 2,4-D, pode ser necessário um intervalo de até 20 dias entre aplicação e semeadura da soja. Flumioxazin nesta aplicação teria uma boa eficácia, porém seu uso em pré-emergência ofereceria controle de vários fluxos e um espectro superior do que quando utilizado em pós-emergência da planta daninha.

 

Pré-emergentes em relação a cultura da soja e da planta daninha

Vários produtos podem ajudar a diminuir a infestação de erva-quente e facilitar assim a ação dos pós-emergentes.

Dentre estes destacam-se o flumioxazin (controle acima de 85%), o s-metolachlor, diclosulan, flumetsulan e o metribuzin. Pré-emergentes como o trifluralin, pendimethalin, clomazone e o imazaquin não possuem boa eficácia sobre este alvo.

 

Pós-emergentes em relação a cultura da soja e da planta daninha 

As melhores opções em pós-emergência são o fomesafen, lactofen e o flumioxazin. Clorimuron e imazetapir possuem eficácia inferior, mas são opções interessantes em um manejo ao longo dos anos.

O próprio glifosato possui boa eficácia caso aplicado sobre plantas jovens, assim como a grande maioria dos herbicidas citados acima.


Autor(a)

Dr. Rafael Pedroso

MATERIAIS MAIS ACESSADOS:
VOCÊ PODE GOSTAR: