Apresentação Seminário Phytus - Tratamento de Sementes

Publicado em: 15/07/2016
Compartilhe:

Neste material, confira parte da apresentação de resultados da área de tratamento de sementes ministrada pela Dra. Caroline Gulart no 1º Seminário Phytus.

Se você deseja assistir à palestra completa da pesquisadora, seja um associado Premium e tenha acesso ao conteúdo completo.

Neste material, a Dr. Caroline Gulart aborda aspectos importantes sobre o tratamento de sementes com fungicidas como:

  • Introdução
  • Patógenos necrotróficos em soja
  • Manejo Integrado de Doenças
  • Fatores que afetam a proteção e qualidade fisiológica
  • Efeitos positivos do uso de polímeros
  • Efeitos negativos do uso de polímeros
  • Considerações finais

Introdução

A palestrante aborda, inicialmente, a eficiência de i.a. sobre patógenos transmitidos por sementes, além disso, comenta sobre a importância de polímeros no armazenamento de sementes tratadas, e também, a influência que o polímero exerce quando associado ao tratamento de semente em diferentes umidades do solo.

 

Patógenos necrotróficos em soja

Nesse item, a pesquisadora comenta sobre a transmissibilidade da semente para a parte aérea dos patógenos necrotróficos (Tabela 1). Salientando-se também, sobre a importância da patologia de sementes para direcionar o tratamento de sementes.

 

Tabela 1 – Nome comum, nome específico e taxa de transmissibilidade de patógenos da semente para a parte aérea da cultura da soja.

Nome Comum

Nome Específico

Taxa de transmissibilidade

Mancha Púrpura

Cercospora kiuchii

30%

Mancha olho de rã

Cercospora sojina

30%

Mancha Parda

Septoria glycines

20%

Seca da haste

Phomopsis spp.

25%

Antracnose

Colletotrichum truncatum

10%

Cancro da Haste

Diaporthe phaseolorum

1%

Mofo Branco

Sclerotinia sclerotiorum*

40-70%

* American Phytopathologial Society

 

Manejo Integrado de Doenças

Dentro do MID, é importante observarmos a qualidade sanitária e fisiológica das sementes para que não tragam consigo patógenos associados interna ou externamente. Além disso, a utilização da resistência varietal para determinadas doenças é uma das ferramentas mais eficientes sob vários aspectos, mais econômica, eficiência de controle e menos prejudicial ao meio ambiente, pois utiliza menos ingrediente ativo por área.

Somando a estas ferramentas, tem-se também o tratamento de sementes, podendo este ser químico ou biológico, atentando para o uso de produtos registrados para este fim e na cultura desejada. Além disso, deve-se levar em conta o perído de proteção oferecido pelo tratamento de sementes, que não é superior a 10-12 dias.

 

Fatores que afetam a proteção e qualidade fisiológica

Espécie, composição química, condições de produção e armazenamento;

Perda gradual da vitalidade, qualidade…

UMIDADE –aumento da respiração, microorganismos, insetos(vigor, germinação)

 

Efeitos positivos do uso de polímeros

Redução de danos, efeito fisiológico, custo-benefício, erradicação, penetração do produto e fixação do i.a., distribuição uniforme do produto na semente e reduz a quantidade de i.a., melhora a plantabilidade (reduzindo falhas),..

 

Efeitos negativos do uso de polímeros

Fitotoxicidade, efeito deletério sobre Bradyrhizobium, shelf life.

 

Considerações finais

Patologia de sementes irá definir qual produto utilizar no Tratamento de Sementes;

A Utilização de Polímeros associados ao TS mantém % germinação e vigor de plantas por até 6 meses de armazenamento;

Polímeros auxiliam na proteção das sementes contra Fusarium sp., Aspergillus sp. e Penicillium sp. mesmo após 18 meses de armazenamento;

Em condição de semeadura em solo seco, a utilização de polímero associado ao TS, acelera o IVE e desenvolvimento radicular da planta.


Autor(a)

Drª. Caroline Gulart

MATERIAIS MAIS ACESSADOS:
VOCÊ PODE GOSTAR: