Programa fungicida com 4 aplicações: quando iniciar? Publicado em:

Quatro aplicações de fungicidas é um número médio que tem sido utilizado por grande parte de produtores de soja. No entanto, quando se tem planejado fazer uso de apenas quatro aplicações, surge a dúvida: “Quando iniciar o programa de controle?”

Iniciar mais cedo e correr o risco de faltar proteção no final, ou iniciar mais tarde e correr o risco de permitir que a doença inicie no campo?

Visando obter algumas dessas respostas, foi conduzido um ensaio de pesquisa utilizando a cultivar BMX Ativa semeada no dia 15 de dezembro de 2018 (época tardia).

Utilizou-se um programa fungicida padrão com quatro aplicações:

Azox.+Benzo. >> Trifl.+Protio.+Mancoz. >> Picox.+Benzo. >> Picox.+Cipro.+Morf.

Os posicionamentos foram os seguintes

T1. Testemunha

 

 

 

T2. 25 DAE >> 45 DAE >> 60 DAE >> 75 DAE  (4 aplicações)

 

T3. 35 DAE >> 55 DAE >> 70 DAE >> 85 DAE
(4 aplicações)

 

T4. 45 DAE >> 60 DAE >> 75 DAE >> 90 DAE
(4 aplicações)

 

T5.  50 DAE >> 70 DAE >> 85 DAE
(3 aplicações)

 

Porém, o cenário desse experimento é para uma época de semeadura mais tardia, com foco no controle de ferrugem asiática. No caso de épocas de semeadura mais antecipadas, esse cenário pode ser alterado, alerta a pesquisadora Mônica Debortoli:

 

A abordagem anterior considerava um cenário com foco exclusivamente sobre o controle de ferrugem, que em muita das áreas é o maior problema, especialmente na região Sul. Porém, em muitas situações podemos ter a ocorrência de outras doenças, como manchas foliares e antracnose, em áreas de monocultivo e safras com condições climáticas favoráveis a essas doenças. Se inserirmos essas doenças na discussão, como fica o cenário?

Confira no áudio abaixo os apontamentos dos pesquisadores:

Autor(es)