Nematoides que atacam o tabaco podem predispor as plantas a outros patógenos de solo Publicado em:

Doenças radiculares têm acometido praticamente a maioria das plantas de importância agronômica incluindo o tabaco (Nicotiana tabacum L).

Diversos agentes patogênicos presentes no solo, podem causar uma interferência nos processos fisiológicos das plantas, culminando em doenças. Um desses grupos de microrganismos, os fitonematoides, possui notória habilidade para obter seu alimento através das raízes das plantas. Durante o processo de parasitismo, os nematoides, causam diversos ferimentos (perfurações no tecido) nas raízes, devido sua penetração e migração. Tal evento, interfere diretamente na captação de água e nutrientes pela planta, podendo ainda, expor as raízes a infecção de outros patógenos também habitantes do solo a exemplo de fungos e bactérias.


Na cultura do tabaco (Nicotiana tabacum L.), o amarelão é uma doença de ocorrência frequente em inúmeros campos de produção e, pode ser causada por diversos fungos de solo que induzem danos às raízes das plantas.

Um dos agentes causais do amarelão pode ser o fungo do gênero Fusarium spp. Em função do amarelão prejudicar o funcionamento das raízes no processo de absorção de água e nutrientes, esse pode levar a um amarelecimento generalizado das plantas e significativas perdas em produção. 

Estudos mostram que nematoides ao penetrar nas raízes das plantas causam ferimentos que podem servir como porta de entrada para fungos de solo.

Os fitonematoides mais importantes que atacam o cultivo do tabaco são os formadores de galhas pertencentes ao gênero Meloidogyne. Esses são endoparasitas sedentários que penetram nas raízes e desenvolvem seu ciclo no interior dos tecidos. Assim, ao penetrarem podem causar danos diretos e indiretos e podendo ainda ter uma forte relação com a incidência de podridões radiculares ligadas ao amarelão.

O grupo de pesquisa em Nematologia do Phytus Group realizou alguns trabalhos nesse sentido com o objetivo de avaliar essa possível interação entre o ataque de nematoides e fungos de solo.

Foram feitos levantamentos em três locais na safra 2017/2018, em três cidades na depressão central no Rio Grande do Sul, afim de verificar possível interação entre os patógenos. Foram coletadas amostras de solo e raízes de plantas de tabaco para realização de análises, visando a identificação e quantificação de nematoides e diagnose de fungos presentes nas raízes das plantas. 

 

Resultados


Foi verificada uma alta incidência de nematoides Meloidogyne spp. tanto no solo como nas raízes de plantas (Figura 1).

A análise microbiológica indicou a presença abundante do fungo Fusarium spp. que é um patógeno que pode causar amarelão no tabaco (Figura 2). Todos os municípios coletados houve a presença do fungo nas amostras de raízes. 

Cabe salientar que, é importante fazer um monitoramento das áreas para detecção de problemas com nematoides, visto que, esse microrganismo pode em determinadas situações, predispor as plantas de tabaco, a ocorrência de outros patógenos causadores de doenças como no caso o amarelão.

Contudo, a identificação correta é fundamental para planejar estratégias de manejo, visando reduzir os focos de doenças nas lavouras, haja vista que, tanto os nematoides quanto os fungos podem isoladamente causar perdas de produtividade, embora como regra, a ocorrência concomitante de ambos patógenos resultará em impactos maiores.  

Figura 1.  Densidade populacional de nematoides no solo e nas raízes de tabaco em -diferentes localidades.
Figura 1.  Densidade populacional de nematoides no solo e nas raízes de tabaco em ­diferentes localidades.

 

Figura 2. Análise microbiológico para diagnose de fungos em amostras de raízes de tabaco.

 

Trabalho apresentado do 35º Congresso Brasileiro de Nematologia.

Clique aqui para conferir o resumo no site do congresso.

 

Confira também!

Autor(es)