Nematoide das Lesões (Pratylenchus brachyurus) Publicado em:

O trabalho traz informações sobre o nematoide das lesões (Pratylenchus brachyurus), ocorrência, danos, sintomas e estratégias de controle.


Ocorrência

O nematoide das lesões tem causado grandes preocupações em diversas culturas, e em varias regiões do Brasil, principalmente para os agricultores de Mato Grosso, onde o parasita dificulta o manejo dos nematoides de galhas e reniforme por meio da rotação de culturas

Dentre as espécies pertencentes ao gênero Pratylenchus, três merecem destaques, P. brachyurus, (Godfrey) Filipjev & S. Stekhoven, P. coffeae (Zimmermann) Filipjev & S. Stekhoven e P. zeae, essas de ocorrência mais comum.

No entanto, Pratylenchus brachyurus é uma das espécies mais distribuídas, possui um alto grau de polifagia e tem o potencial de causar perdas elevadas em diversas culturas de importância econômicas.

 

Danos

Diferente destes nematóides, o P. brachyurus é endoparasita migrador. Após o ciclo no interior da raiz, as galerias abertas por ele funcionam como porta de entrada para fungos de solo como Fusarium, Rhizoctonia, Phytium, etc causando sintoma de escurecimento das raízes e redução do porte na parte aérea com reboleiras cloróticas.

A gama de hospedeiros é muito vasta, passando por algodão, feijão, milho e soja, principalmente em áreas irrigadas. Na ausência de hospedeiros o parasita pode sobreviver até 6 meses. Em áreas de plantio direto, esse prazo pode ser prolongado devido a presença de restos de raizes de plantas hospedeiras.

As perdas decorrentes do ataque deste nematoide estão na ordem de 30 a 50%, dependendo da densidade populacional no solo, condições climáticas favoráveis e da cultura presente na área. Tem preferência por solos médio-arenosos (15 a 25% argila).

Na ausência de cultivares resistentes, evitar movimentação de solo contaminado, revolvimtento do solo com exposição dos nematóides ao sol pode reduzir a população e rotação de culturas. Existem culturas com a capacidade de multiplicá-los, como milho, Brachiaria humidicola, guandu anão cv. lapar 43 e aveia preta, ou até reduzindo-os, como Crotalaria spectabilis e C. breviflora.

 

Sintomas

As plantas atacadas pelo nematoide Pratylenchus brachyurus apresentam no seu sistema radicular poucas raízes secundárias e um escurecimento típico devido à penetração e locomoção desse nematoide, o que acaba facilitando o ataque de fungos e bactérias do solo, acelerando consequentemente a necrose do sistema radicular.

Os sintomas reflexos de parte aérea são plantas subdesenvolvidas e com folhas amareladas. Geralmente não ocorrem em reboleiras, somente em casos que a densidade populacional esteja em um nível muito elevado, combinado com suscetibilidade da cultura.

 

Sobrevivência e disseminação

Esse nematoide possui baixa capacidade de sobrevivência no solo na ausência da planta hospedeiro, normalmente utiliza restos culturais para manter-se vivo. Plantio direto e sistema mínimo favorecem sua sobrevivência.

Sua disseminação se baseia na movimentação do solo infestado por máquina, implementos agrícolas e outros meios.

Ciclo do Pratylenchus. Figura adaptada de Torres at al.

Estratégias de manejo

Os nematoides do gênero Pratylenchus são considerados de difícil controle. Para que o produtor obtenha sucesso, deverá integrar as estratégias de manejo disponíveis.

Portanto, para a escolha de estratégias e táticas de manejo é fundamental a diagnose e identificação da espécie presente na área, juntamente com a densidade populacional no solo.

Há reduzidas ferramentas para o controle desse fitonematoide, tendo destaque:

  • O uso de plantas não hospedeiras como Crotalaria spectabilis e C. breviflora são as principais ferramentas na redução da população no solo.
  • Em locais com alta incidência, recomenda-se arar e ou gradear o terreno após a colheita, ou antes do plantio a ação da luz a faixa ultravioleta possui propriedades nematicidas.
  • O uso de plantas consideradas má hospedeiras com aveia preta, Brachiaria humidicola e B. dictyoneura, podem ser usadas somente quando a densidade populacional do nematoide não estiver em níveis elevados.
  • Cultivares com resistência moderadas, somente quando a densidade populacional do nematoide não estiver em níveis elevados.

Quer ver mais sobre nematoides? Acesse:

Bibliografia consultada
Ferraz, C.C.B., Monteiro, A.R. Nematoides. In: Bergamin Filho, A. Kimati, H., Amorin, L. (2008) Manual de fitopatologia: princípios e conceitos. Ed. Agronomia Ceres.
Ferraz, S., Freitas, L.G.; Lopes, E.A.; Dias-Arieira, C.R. Manejo sustentável de fitonematoides. Viçosa, MG, Ed. UFV, 2010. 306p.
INOMOTO, M. M. Principais nematóides na cultura da soja e seu manejo. Piracicaba: ESALQ/USP, 2006.
INOMOTO, M. M. Sucessão de culturas no manejo de nematóides. Revista Cultivar – Grandes Culturas. Ano XIII. n. 151. Pag. 16-18. 2011/12.
INOMOTO, M. M; ASMUS, G. L.; SILVA, R. A.; MACHADO, A. C. Z. Nematóides uma ameaça a cotonicultura brasileira, 2007.
Torres, R.G ; Ribeiro, N. R. ; Boer, A.S ; Corbo, E ; Fernandes, O. ; Figueredo A.G. . Manejo Integrado de Nematóides em sistema de Plantio Direto no Cerrado 2008 (Circular Técnica).

Autor(es)