Doenças do arroz Publicado em:

Saiba mais sobre as doenças que acometem a cultura do arroz: 

  • Principais características
  • Sintomas
  • Condições de ocorrência
  • Controle

 

Brusone

É a doença mais importante da cultura, apresentando danos estimados em até 100% sob condições altamente favoráveis, sendo causada pelo fungo Pyricularia oryzae.

Sintomas

A doença causa lesões elípticas de coloração marrom e centro acinzentado, podendo causar a morte total da planta em ataques severos.

Nas panículas, pode ocorrer a brusone de base de panícula (também conhecida como brusone de pescoço), que resulta no chochamento dos grãos e em perdas significativas de produtividade. 

A doença manifesta-se geralmente a partir da floração, contudo, sob condições favoráveis, pode ocorrer já no estádio vegetativo, podendo provocar a morte de plantas.

Condições favoráveis à ocorrência da doença

A ocorrência de brusone é muito influenciada por temperaturas entre 25 e 28 °C, umidade relativa do ar superior a 90%, precipitação frequente e elevado número de horas com nebulosidade.

Controle

Determinados fatores culturais podem afetar a severidade da doença, destacando-se a adubação nitrogenada em excesso ou quando associada a uma irrigação deficiente, época tardia de semeadura e elevada população de plantas.

O uso de variedades resistentes ou moderadamente resistentes, somado à observação dos fatores culturais já mencionados e ao uso de fungicidas no tratamento de sementes e também em parte aérea, contribuem significativamente para a redução dos danos causados pela doença. 

Figura 1. Sintomas de brusone (Pyricularia oryzae) em arroz.

 


Mancha-marrom

A mancha-marrom é a doença mais comum nas lavouras de arroz, causada pelo fungo Dreschlera oryzae, pode causar danos que variam de 10 a 15% de redução de produção.

Sintomas

Os sintomas da doença nas folhas podem ser confundidos com as lesões iniciais de brusone, no entanto, quando a doença progride, os sintomas são facilmente diferenciados. 
Nas folhas, as lesões têm formato ovalado de coloração pardo-escura; com o envelhecimento, as lesões apresentam o centro mais claro. Nos grãos, ocorrem manchas castanho-escuras, que em ataques severos comprometem a qualidade de grãos e sementes. Neste caso, pode infectar as plântulas, causando redução no estande.

Condições favoráveis à ocorrência da doença

O patógeno é de ocorrência frequente em áreas arrozeiras, sendo favorecido por temperaturas entre 17° e 20°C, além de desequilíbrio nutricional relacionado ao potássio.

A maior suscetibilidade do arroz à doença ocorre na emergência, ao redor de 30 dias após a emergência (4 a 5 folhas), e na floração, quando a severidade da doença aumenta.

Controle

O tratamento de sementes é uma alternativa de controle significativa para evitar que sementes infectadas possam gerar inóculo para a parte aérea da planta. O uso de fungicidas de amplo espectro, objetivando o controle do complexo de doenças da parte aérea da cultura, possibilitará um controle eficiente da mancha-parda, resultando em resposta econômica significativa.

Figura 2. Sintomas de mancha-marrom em arroz (Dreschlera oryzae).

 

Escaldadura

A escaldadura das folhas é causada pelo fungo Rhynchosporium oryzae. Esta doença ocorre principalmente nas regiões litorâneas do Rio Grande do Sul, bem como na Depressão Central.

A escaldadura é uma doença conhecida como de ocorrência irregular, entretanto, nos últimos anos vem assumindo importância nas regiões de cultivo de arroz, onde é cada vez mais frequente.

Sintomas

Os sintomas da doença variam com as condições em que o patógeno se encontra, ou seja, sob condições favoráveis, os sintomas aparecem nas extremidades apicais das folhas ou nas bordas das lâminas foliares na coloração verde-oliva. Essas lesões evoluem formando faixas concêntricas de coloração alternada marrom-clara e escura. Posteriormente, as lesões coalescem, causando necrose e morte da folha afetada. Por outro lado, sob condições não favoráveis, o patógeno causa pequenas pontuações de coloração marrom ao longo das folhas.

Condições favoráveis à ocorrência da doença

O patógeno é favorecido por precipitação contínua, temperatura de 24 a 28°C, alta densidade de plantas, adubação nitrogenada em excesso e desuniformidade na lâmina de irrigação.
A disseminação do fungo ocorre através de sementes infectadas e pelos restos culturais que constituem a principal fonte de inóculo na lavoura. 

Controle

O tratamento de sementes é importante para proteger as plântulas de arroz durante o estabelecimento, além de reduzir a quantidade do inóculo inicial disponível para infectar folhas adultas. O controle químico, quando empregado de forma preventiva, proporciona ganhos na produtividade e na qualidade de grãos em áreas atacadas.

Figura 3. Sintomas de escaldadura (Rhynchosporium oryzae) em arroz.

 


 Mancha das bainhas

A mancha das bainhas é causada pelo fungo Rhizoctonia oryzae.

Sintomas

O fungo ataca o colmo e as bainhas formando lesões ovaladas. Sob condições de alta pressão de inóculo, as lesões aparecem nas folhas com formato irregular. Em casos de ataques severos, a panícula pode ser infectada resultando em grãos estéreis e ou com chochamento.

Por ser um fungo de solo, a drenagem na entressafra em áreas irrigadas, a redução na densidade de semeadura e a adubação potássica equilibrada, são fatores fundamentais no manejo da doença.
As cultivares de ciclo precoce e de alta capacidade de perfilhamento são mais suscetíveis, devido à pouca luminosidade e à alta umidade formadas no interior do dossel e que favorecem o estabelecimento do patógeno.

Controle 

O tratamento de sementes é uma estratégia de manejo da doença, já que impede infecções iniciais e retarda a infecção, o que em diversas situações pode resultar no seu controle.

Figura 4. Sintomas de mancha das bainhas (Rhizoctonia oryzae) em arroz.

 

Mancha estreita

A mancha estreita é causada pelo fungo Cercospora oryzae. 

Sintomas

Pode produzir lesões foliares estreitas de cor pardo-avermelhada, além de sintomas na bainha, colmo, pescoço da panícula, pedicelos e glumas.

Condições favoráveis à ocorrência da doença

Temperaturas elevadas e alta umidade relativa do ar favorecem a doença, que pode ser dispersa através das sementes. 
A ocorrência da mancha estreita se dá apenas em plantas adultas ou em solos com deficiências nutricionais, principalmente de fósforo e potássio.

Controle 

No controle desta doença, o uso de cultivares resistentes é uma alternativa eficiente, sendo que o controle químico, se realizado para as doenças do complexo de doenças necrotróficas, será eficaz no seu controle. A semeadura na época adequada, bem como a utilização de cultivares precoces, são medidas efetivas no manejo da doença.

Figura 5. Sintomas de mancha estreita (Cercospora oryzae) em arroz.

 

Cárie do arroz

Também conhecida como carvão-do-arroz, a cárie causada pelo fungo Tilletia barclayana é uma doença de ocorrência frequente nos países da Ásia e no Sul dos Estados Unidos. 

No Brasil tem se tornado motivo de grande preocupação entre os produtores, especialmente a partir das últimas safras, quando se manifestou em praticamente todas as regiões produtoras.Danos severos da doença podem reduzir a produção de arroz em até 15%.

Sintomas

Os sintomas observados nos grãos são uma massa pulverulenta de esporos negros, que aparece a partir da fase de maturação das sementes. Após infectar as espiguetas, o patógeno esporula abundantemente, disseminando esporos que irão infectar o restante da panícula.

A infecção dos grãos na panícula ocorre por via aérea, a partir da infecção da flor no período da antese. A doença é disseminada pela semente e os esporos do patógeno têm a habilidade de germinar na superfície da água, esporulando e gerando inóculo secundário para infectar novas flores. 

Controle 

O tratamento de sementes pode reduzir a quantidade de inóculo na lavoura, no entanto não protege a planta em todo seu ciclo. A aplicação de fungicidas preventivamente na fase de pré-floração pode diminuir a infecção das panículas e desta forma reduzir as perdas causadas pela doença.

De qualquer modo, tendo em vista a dispersão intensa da doença, a inquietude observada no meio produtivo e o dano significativo, pesquisas intensas devem ser realizadas para que informações fundamentadas nas condições locais sejam geradas e um controle consistente seja obtido.

 

Figura 6. Sintoma de cárie do arroz (Tilletia barclayana).

Mancha das glumas

A mancha das glumas é causada por um grupo de patógenos, sendo os pricipais Phoma sp., Dreschlera oryzae, Curvularia lunata, Nigrospora oryzae, Alternaria sp., e Fusarium spp.

Sintomas

Estes patógenos provocam manchas irregulares de coloração marrom que cobrem parcial ou totalmente o tegumento da semente, reduzindo a qualidade industrial do grão e causando amarelamento, gessamento e quebra do grão. Quando as lesões ocorrem juntamente com temperaturas baixas pode ser observada esterilidade dos grãos.

Condições favoráveis à ocorrência da doença

A maior incidência da mancha das glumas ocorre em temperaturas amenas de 15 a 20ºC, entre os estádios de emissão da panícula e enchimento de grãos. A época de semeadura pode ser antecipada para evitar que o enchimento de grãos coincida com a ocorrência de baixas temperaturas.

Controle 

A aplicação de fungicidas deve ser realizada previamente ao florescimento ou, no início do mesmo para que ocorra uma redução na pressão de inóculo durante o florescimento.

 

Confira também!

 

 

 

Autor(es)