Série conservação e sustentabilidade do sistema produtivo: bases, conceitos e importância do uso sustentável do solo

Publicado em: 05/04/2022
Compartilhe:

Uso sustentável do solo

A preocupação com o desenvolvimento sustentável tem crescido nos últimos anos, gerando vários estudos e debates. Isso porque o crescimento populacional ocorre em ritmo exponencial, o que gera mais pressão nos recursos naturais, como o solo. Tendo cada vez mais pessoas, há necessidade de aumentar a produção, com quantidades maiores de alimentos/animais/fibras, que precisam ser produzidos em espaços, que seguem diminuindo ano após ano, devido às perdas por manejo incorreto. Além disso, é importante frisar que na natureza todos os processos são interdependentes e, por isso, a degradação do solo está intimamente relacionada com outros problemas ambientais, como a poluição e o assoreamento de recursos hídricos, o que acaba gerando, como consequência, perda da biodiversidade e redução da qualidade de vida.

No entanto, os debates não devem ser fomentados para diminuir ou interromper o crescimento e o desenvolvimento produtivo do agronegócio, mas sim para indicar um caminho que garanta a manutenção dos recursos naturais, assegurando os seus ciclos de produção e regeneração (GOEDERT; OLIVEIRA, 2007).

Atualmente, o conceito de sustentabilidade tem sido amplamente debatido, sendo consideradas sempre questões biológicas, sociais, econômicas e ambientais. Isso porque o desenvolvimento sustentável busca a manutenção das altas produtividades sempre atreladas à manutenção da qualidade do solo e de suas funções ecológicas. Sendo assim, de forma geral, um sistema produtivo sustentável é aquele que garante manutenção dos recursos naturais e da produtividade; produção com o mínimo de impacto ao ambiente; retorno socioeconômico aos produtores; otimização da produção sem a utilização de grandes quantidades de insumos externos (como adubos nitrogenados, que causam elevada acidificação do solo, por exemplo); e ser capaz de atender à demanda por alimentos, renda e qualidade de vida da população (produtores rurais e sociedade como um todo) (BRASIL, 2000).

Sendo assim, é possível perceber que a sustentabilidade produtiva está intimamente relacionada com a resiliência e a qualidade do solo (Figura 1). A resiliência pode ser definida como a capacidade que o solo apresenta de se recuperar, enquanto a qualidade pode ser definida como a capacidade que o solo apresenta de desempenhar as suas funções de forma satisfatória, seja de sustentar a biodiversidade ou de contribuir para a saúde das plantas, animais e humana (GOEDERT; OLIVEIRA, 2007).



Figura 1. Relação entre produtividade, qualidade do solo e suas funções ecológicas. Fonte: Autora.


Para manter a resiliência, a qualidade do solo e as altas produtividades, é necessário buscar manejos adequados e práticas agrícolas de uso sustentável, visto que são práticas que buscam diminuir a erosão e a degradação, e visam à conservação desse recurso natural, mantendo as suas características.



REFERÊNCIAS


BRASIL. Ministério do Meio Ambiente, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. Agricultura sustentável: Subsídios à elaboração da Agenda 21 brasileira. Brasília, 2000. 


BROWN, G. G.; FRAGOSO, C.; BAROIS, I.; ROJAS, P.; PATRON, J. C.; BUENO, J.; MORENO, A. G.; LAVELLE, P.; ORDAZ, V.; RODRÍGUEZ, C. Diversidad y rol funcional de la macrofauna edáfica en los ecosistemas tropicales mexicanos. Acta Zoológica Mexicana: Nueva Série, Xalapa, n. especial, p. 79-110, 2001.


GOEDERT, W. J.; OLIVEIRA, S. A. Fertilidade do solo e sustentabilidade da atividade agrícola. In: NOVAIS, R. F.; ALVAREZ V. V. H.; BARROS, N. F. de; FONTES, R. L. F.; CANTARUTTI, R. B.; NEVES, J. C. L. (ed.). Fertilidade do Solo. Viçosa, MG: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2007.


KÄMPF, N.; CURI, N. Conceito de solo e sua evolução histórica. In: KER, J. C.; CURI, N.; SCHAEFER, C. E. G. R.; VITAL-TORRADO, P. (ed.). Pedologia. Viçosa, MG: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2012.


LAVELLE, P.; BIGNELL, D.; LEPAGE, M.; WOLTERS, V.; ROGER, P.; INESON, P.; HEAL, O. W.; GHILLION, S. Soil function in a changing world: the role of invertebrate ecosystem engineers. European Journal of Soil Biology, Paris, v. 33, p. 159-193, 1997.


LEPSCH, I. F. Solos: formação e conservação. 2. ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2010.


NOVAIS, R. F.; MELLO, J. W. V. Relação solo-planta. In: NOVAIS, R. F.; ALVAREZ V. V. H.; BARROS, N. F. de; FONTES, R. L. F.; CANTARUTTI, R. B.; NEVES, J. C. L. (ed.). Fertilidade do Solo. Viçosa, MG: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2007.


SSSA - Soil Science Society of America. Glossary of Soil Science Terms. Amer Society of Agronomy, 1997.
Autor(a)

Drª. Laís de Carvalho Vicente

FOTOS MAIS ACESSADAS:
VOCÊ PODE GOSTAR: