Seleção e condução das gerações segregantes para soja

Publicado em: 19/09/2022
Compartilhe:

Um programa de melhoramento genético da soja que visa obter novos genótipos deve possuir uma sistematicidade organizada e seguir etapas como a definição dos objetivos, escolha dos genitores, hibridações, formação de populações segregantes, escolha do método de condução e seleção, elaboração dos ensaios competitivos, registro e proteção do genótipo, e a multiplicação e distribuição das sementes. A seleção de genitores apresenta-se importante para a obtenção de novos genótipos, pois se busca a complementaridade gênica, a fim de incrementar a expressão dos caracteres agronômicos de interesse. Após a seleção dos genótipos com características de interesse e que atendam os objetivos propostos, organizam-se os blocos de cruzamentos, com a finalidade de proporcionar populações segregantes com elevada expressão dos caracteres objetivados.

A soja possui flores hermafroditas, onde a cleistogamia proporciona a autofecundação através da capacidade da flor fecundar-se antes da abertura das pétalas. Nestas condições, o melhorista promove a emasculação da flor e retira as anteras. Posteriormente, direcionam-se as anteras com pólen viável do genitor masculino, com deposição sobre o estigma da flor emasculada, identificando o cruzamento com as devidas informações cabíveis (ALLARD, 1971). Os cruzamentos viáveis geram indivíduos totalmente heterozigotos (F1s), que resultam na formação de populações segregantes (F2). Segundo Ramalho et al. (2012), as ações do melhorista devem ser embasadas em populações com médias elevadas dos caracteres de interesse, e ainda revelar alta variabilidade genética. 



Figura 1: Representação esquemática da segregação padrão para espécies autógamas a partir do cruzamento de dois genitores endogâmicos. AA (Alelos dominantes em homozigose); aa (Alelos recessivos em homozigose); Aa (Alelos em heterozigose).


Dentre os métodos de seleção e condução das plantas no melhoramento genético da soja com hibridação, destacam-se a utilização da seleção massal, o método populacional, método genealógico e descendente de apenas uma semente “Single Seed Descent” (SSD). Todos os métodos são realizados a partir da segunda geração de descendentes “F2” (ALLARD, 1971). 

A seleção massal apresenta menor custo e necessidade de mão-de-obra, e revela grande contribuição da seleção natural através das condições do ambiente de cultivo. As populações são semeadas em densidade comercial de F2 a F4 e as melhores plantas são colhidas e misturadas na geração F5 , onde a semeadura será espaçada. A seleção embasada no fenótipo dará origem à geração F6. Em F7 confeccionam-se os ensaios de competição. 



Figura 2. Fluxograma da seleção massal. Fonte: adaptado de Allard (1971).


O método genealógico ou pedigree é ...

Para visualizar o conteúdo completo, torne-se usuário PREMIUM

Autor(a)

Dr. Ivan Ricardo Carvalho

FOTOS MAIS ACESSADAS:
VOCÊ PODE GOSTAR: