O êxodo rural: a agricultura familiar e a masculinização e envelhecimento do campo

Publicado em: 16/02/2022
Compartilhe:

Neste material, você vai entender um pouco mais sobre:

  • Definição de êxodo rural
  • Como esse fenômeno afeta a agricultura familiar
  • Masculinização do campo
  • Envelhecimento da população rural

Êxodo rural

O êxodo rural é um fenômeno de migração da população rural para as cidades. Esse processo promoveu e continua promovendo a redução da população rural em diversos lugares do mundo, como vem ocorrendo no Brasil. Os motivos para que ocorra o êxodo rural são diversos e estão relacionados às incertezas e às crises nos negócios rurais, à modernização e à competição desigual no campo, à promessa de maior qualidade de vida na cidade, entre outros fatores (RAMOS, 2020).

A agricultura familiar

O principal segmento afetado pelo processo de êxodo rural é a agricultura familiar. Antes do processo de Revolução Verde, a agricultura nacional dependia fortemente de mão-de-obra para as atividades de preparo do solo, semeadura, controle de plantas daninhas, colheita, armazenamento e transportes de grãos. Assim, muitas famílias que viviam no meio rural eram compostas por um casal, que geralmente tinha muitos filhos, não raro mais de dez filhos vivendo no meio rural e trabalhando numa mesma propriedade, ou vivendo da atividade rural através da venda da mão-de-obra em empreendimentos agrícolas fora da propriedade rural familiar.

Contudo, com a modernização da agricultura ocorreu a introdução de tratores e implementos pesados substituindo a tração animal e aumentando a eficiência no preparo do solo; semeadoras e colhedoras motorizadas, reduzindo a necessidade da semeadura e da colheita manual; introdução de herbicidas, reduzindo ou eliminando a necessidade de controle manual das plantas daninhas através da enxada. Tudo isso acabou reduzindo drasticamente a necessidade de mão-de-obra no meio rural, principalmente na agricultura familiar, um segmento da agricultura onde a terra é um recurso escasso.

Na categoria da agricultura familiar enquadram-se aquelas atividades rurais que são realizadas em propriedades que não ultrapassem uma área de quatro módulos fiscais, aproximadamente 100 ha de terra, dependendo da região do Brasil (BRASIL, 2006). Com o aumento da modernização do campo, a mão-de-obra humana e a tração animal foram sendo substituídas por máquinas motorizadas. Isso provocou um excedente de mão-de-obra no campo. Parte significativa da população rural que representava essa mão-de-obra foi para a cidade na procura de melhores oportunidades.

A masculinização e o envelhecimento do campo

A população que permaneceu no campo teve que enfrentar outro problema decorrente do processo de êxodo rural. O primeiro é a masculinização do campo. A maior parte da população rural que permaneceu na atividade agrícola é representada pelo sexo masculino. Por questões inerentes à propriedade rural familiar, os homens foram os principais responsáveis por manter a atividade agrícola na propriedade familiar, enquanto parte significativa da população jovem feminina migrou para os centros urbanos. Isso não ocorreu somente no Brasil e trouxe problemas sérios para a reprodução da família rural. Não é incomum encontrarmos hoje propriedades rurais familiares onde vive somente um membro familiar do sexo masculino fazendo a gestão dos negócios rurais. Em alguns casos encontramos até mesmo irmãos solteiros vivendo sozinhos no campo. 

O segundo problema é o envelhecimento da população rural. Em muitos casos todos os membros jovens da família migraram para a cidade, seja para estudar como para trabalhar. Assim, em muitas propriedades rurais familiares permaneceu somente o casal progenitor. Estes acabam por envelhecer sozinhos no meio rural e sem perspectivas de continuidade dos negócios pelos membros mais jovens da família, uma vez que estes últimos estão em profissões não ligadas ao campo. Por fim, casais de idosos no meio rural acabam optando por vender ou arrendar as terras. Em muitos casos permanecem na vida rural mesmo não desenvolvendo atividades agrícolas. Mas em muitos casos a população idosa acaba por migrar para a cidade também, principalmente para viverem próximos aos seus filhos e terem maior facilidade de acesso a serviços de saúde.

Perspectivas futuras

O que acontecerá com a agricultura familiar nas próximas décadas? Existem alternativas para contornar o cenário de masculinização e de envelhecimento do campo e garantir a reprodução da agricultura familiar? Certamente há estratégias possíveis e que estão sendo aplicadas com sucesso por diferentes propriedades rurais. Essas questões serão abordadas nos próximos conteúdos.  

Referências:

RAMOS, R. F. Êxodo rural: quais as suas causas?. Disponível em: https://elevagro.com/materiais-didaticos/exodo-rural/. Acesso em: 26 set. 2020.
BRASIL. Lei nº 11.326 de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Diário Oficial da União, p. 1, col. 2, Brasília/DF, 2006.


Autor(a)

Me. Rodrigo Ferraz Ramos

MATERIAIS MAIS ACESSADOS:
VOCÊ PODE GOSTAR: