Mancha de macrospora ou diplodia (Stenocarpella macrospora e Stenocarpella maydis), da semeadura à colheita

Publicado em: 29/09/2014
Compartilhe:
  1. Estabelecimento da doença e órgãos afetados
  2. Condições e práticas que beneficiam a doença
  3. Evolução da doença na planta
  4. Descrição dos sintomas
  5. Inoculação e infecção da espiga
  6. Diferença entre diplodia e outras doenças de espiga
  7. Estratégias para manejo integrado da doença

 


Estabelecimento e desenvolvimento da doença

A cultura do milho é hospedeira de vários patógenos que parasitam seus tecidos em diversos momentos do desenvolvimento da cultura. Especificamente os patógenos do gênero Stenocarpella são praticamente os únicos que possuem a habilidade de infectar e causar danos visíveis em todas as etapas fenológicas da cultura. Germinação e emergência – Somente a S. macrospora é encontrada causando lesões sobre os tecidos foliares. Sua fonte de inóculo pode ter origem nos picnídios formados sobre a semente e/ou nos restos culturais da cultura do milho. Com o processo de embebição da semente e germinação inicia-se a fase mais vulnerável da planta à infecção pelo patógeno, causando deterioração da radícula e morte ou tombamento de pré-emergência. Outra via de infecção neste estádio é através do mesocótilo e/ou coleóptilo, obstruindo o transporte de seiva da planta e causando morte ou tombamento de pós-emergência e, consequentemente, falha de estande na lavoura. Caso o inóculo não seja suficiente para causar morte na plântula, o patógeno seguirá seu processo de multiplicação sobre os tecidos do hospedeiro desde a primeira folha emitida. Nesta situação, pode ocorrer necrose castanho claro, iniciando da ponta da folha em direção ao colar em forma de “V” (Figura 1).

 Figura 1 -  Lesão da primeira folha do milho causada por Stenocarpella sp.

Área foliar

O milho é o único hospedeiro de interesse agrícola, o que acaba por acelerar a evolução da doença em áreas de monocultura, já que o patógeno pode sobreviver no colmo infectado, em restos culturais e como micélio no endosperma e embrião das sementes. Com a hidratação dos picnídios, especialmente à noite, os cirros de conídios são expulsos e, graças às ações do vento e da chuva, atingem os órgãos vulneráveis da planta. Partindo desse inóculo inicial, os conídios de S. macrospora atingem a folha e germinam entre 12 e 15 horas após sua deposição, sob umidade relativa elevada, luz e temperatura entre 23 e 30°C (BRUNELLI et al., 2005). Geralmente o período em que a planta se torna mais suscetível estende-se da polinização completa até 20 dias após (BENSCH et al., 1992) (Figura 2). Dentre as espécies de Stenocarpella spp., a S. maydis é a mais frequente nos estados do sul do Brasil, já a S. macrospora predomina nas condições tropicais. No entanto, somente a S. macrospora é capaz de causar lesões foliares, além de possuir maior esporo e agressividade do que a S. maydis nos estágios iniciais de germinação, infecção e colonização (LATTERELL & ROSSI, 1983). 

Além disso, quando a umidade relativa do ar é menor que 50%, S. macrospora produz mais micélio que S. maydis, podendo atacar a planta em qualquer estádio fenológico (DEL RIO, 1991).

Figura 2 – Diagrama de origem e dispersão dos cirros de conídios dos picnídios produzidos sobre restos culturais, colmos infectados ou lesões foliares.

Os sintomas foliares podem ser variados considerando a característica do híbrido semeado. Uma lesão foliar com ponto central de infecção é o sintoma mais comum, com halo amarelado e progressão pelas nervuras da planta (Figura 3A). No entanto, algumas derivações desta podem ser encontradas em outros híbridos, como uma lesão parda de aspecto ovalado (semelhante a E. turcicum), muitas vezes sem a identificação do ponto central da infecção e a presença ou não de halo amarelado (Figura 3B).

O ponto chave para identificação dos dois tipos de sintomas de S. macrospora é a presença de estruturas negras do patógeno sobre a lesão – picnídios. Esta estrutura do patógeno será a via de identificação da presença deste sobre todos os tecidos da planta, folha, colmo e espiga.

Colmo – Começam a serem visualizados no campo a partir do estádio de enchimento dos grãos, quando ocorre o maior dreno de carboidratos do colmo para os grãos. Em condições de temperatura (>25°C) e umidade altas (>80%), os picnídios são formados na resteva e irão liberar cirros de conídios, esses serão disseminados pelo vento e chuva até o milho, que é o único hospedeiro. A viabilidade do inóculo é alta e supera 90%, mesmo após 320 dias no solo (CASA et al., 2003).

O momento de infecção ideal ainda requer condições de estresse para a planta que, por conseguinte, favorece a infecção nos períodos secos seguidos de chuvosos e/ou excesso de Nitrogênio em relação ao Potássio. Assim, a infecção da Stenocarpella spp. pode ocorrer pela coroa, mesocótilo ou raízes em torno de 5 horas em temperatura de 30 C, com degeneração enzimática das ° paredes da célula do hospedeiro (BENSCH et al., 1992) (Figura 4).

Figura 4 – Diagrama da infecção interna do mesocótilo e/ou coleóptilo da planta de trigo pelos conídios de Stenocarpella spp.

Na planta, são observados no primeiro e segundo entrenós a partir do solo onde perdem a tonalidade verde precocemente, iniciando o escurecimento a partir deste nó em um gradiente escuro para pardo (Figura 5). Com a evolução da doença, a planta pode tombar exatamente neste local. Além disso, o excesso de espigas decumbentes a partir da maturação fisiológica pode ser um indicativo da presença do patógeno em híbridos que não possuem esta característica. Na parte interna ocorre a desintegração da medula, tornando-se marrom-acinzentado e os feixes vasculares permanecem visíveis e tomados por picnídios (pontos negros). Este detalhe diferencia esta doença da causada por Fusarium spp. Espiga – A chegada dos esporos à espiga através do vento e da chuva ocorre pela extrusão dos cirros de conídios dos picnídios, preferencialmente à noite, devido à hidratação destes (CASA et al., 2003). Uma característica peculiar entre as duas espécies de Stenocarpella é que apenas a S. macrospora ataca as folhas do milho (PINTO, 2006). Desta forma, passa ser outra fonte de inóculo dessa espécie para a infecção na espiga, além dos restos culturais ou do próprio colmo infectado, caso específico da S. maydis. Os conídios podem encontrar dois locais para infecção na espiga, o primeiro é o transporte destes da folha da espiga até a axila da planta pela chuva onde encontrará o pedúnculo, penetrando diretamente na palha da espiga (Figura 2) (BENSCH, 1995). O outro se dá através da deficiência de empalhamento e danos causados por insetos.

Figura 5 – Sintoma de Stenocarpella spp no colmo do milho, (a) na parte externa do colmo do milho (Foto: revista A Granja) e (b) na parte interna do colmo do milho (Foto: Nicésio F. F. A. Pinto, Embrapa, 2009).
Figura 6 – Produção de micélio branco a partir da base da espiga, evoluindo para o ápice.

O período de infecção preferencial ocorre em torno de 20 dias após a polinização, com precipitação, alta umidade relativa e temperatura entre 28 a 33°C (SHURTLEFF, 1992). Além disso, é favorecida pelo excesso de Nitrogênio em relação ao Potássio, alta densidade de plantas, monocultivo e pelo dano de insetos na espiga. Com a redução na umidade do grão a 22%, a evolução da doença é interrompida, porém sem a morte do patógeno. Nas espigas atacadas, as brácteas apresentam descoloração precoce, tornando-se pardas e com baixo peso da espiga. No interior, há produção de um micélio branco que se inicia na base da espiga e progride até o ápice, entre as fileiras de grãos, através dos tecidos do esclerênquima e da placenta (BENSCH, 1995) (Figura 6), apresentando picnídios sobre eles (Figura 7). O sabugo torna-se farináceo e de baixa resistência ao manuseio (Figura 8). Híbridos com problemas de empalhamento das espigas, danos de insetos e/ou que não declinam após a maturidade fisiológica são mais suscetíveis, pois facilitam a chegada do inóculo.

Figura 7 – Micélio branco do patógeno com a presença de picnídios.
Figura 8 – Aspecto visual dos grãos e sabugos da espiga sadia (A) e da espiga contaminada com o patógeno (B).

Estratégias de manejo

O foco principal é a redução do inóculo inicial da doença que dará início ao processo de epidemia, visto que o milho é o único hospedeiro de interesse agrícola e há manutenção dos restos culturais na área. Desta forma, o manejo passa pela utilização de cultivares resistentes e rotação de culturas. Além disso, evitar altas densidades de semeadura, realizar adubações de acordo com as recomendações técnicas para evitar desequilíbrios nutricionais nas plantas de milho, principalmente N-K. Quando possível evitar o dano por insetos na espiga e irrigação no florescimento. As práticas da aração e gradagem quando associadas à rotação de culturas reduzem significativamente a quantidade de inóculo no solo e, consequentemente, a intensidade da doença nas semeaduras subsequentes. A associação destas técnicas com fungicidas é fundamental, especialmente com aumento na concentração de triazois para necrotróficos e/ou multi-sítios na mistura com estrubilurina.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRUNELLI, K.R. et al. Germinação e penetração de Stenocarpella macrospora em folhas de milho. Fitopatologia Brasileira, Viçosa, v.30, n.2, p.187-190, 2005.

BENSCH, M.J., VAN STADEN, J. & RIJKENBERG, F.H.J. Time and site inoculation of maize for optimum infection of ears by Stenocarpella maydis. Journal of Phytopathology 136:265-269. 1992.

CASA, R.T., REIS, E.M. & ZAMBOLIM, L. Decomposição dos restos culturais do milho e sobrevivência saprofítica de Stenocarpella macrospora e Stenocarpella maydis. Fitopatologia Brasileira 28:355-361. 2003.

DEL RÍO, L. & MELARA, W. Dispersion de Stenocarpella maydis (Berk.) Sutton en un cultivo de maíz. Ceiba 32:133-140. 1991. LATTERELL, F.M. & ROSSI, A.E. Stenocarphella macrospora (=Diplodia macrospora) and S. maydis (=D. maydis) compared as pathogens of corn. Plant Disease 67:725-729. 1983.

PINTO, N. F. J. A. Inóculo multiplicado. In: Caderno Técnico Cultivar – Milho. Encarte da edição de fevereiro 2006, n.82, Revista Cultivar, 8p., 2006.

SHURTLEFF, M.C. Compendium of corn diseases. American Phytopathological Society. APS Press. Minnesota, USA. 1992.


Autor(a)

Dr. Marcelo Gripa Madalosso

MATERIAIS MAIS ACESSADOS:
VOCÊ PODE GOSTAR:

Você precisa fazer login para postar comentários!