Adaptabilidade e Estabilidade: Método de Wricke (1965)

Publicado em: 01/06/2022
Compartilhe:

Em continuidade ao estudo dos modelos biométricos baseados nas análises das variâncias, será abordada a metodologia proposta por Wricke (1965). Esta, assim como o método Tradicional e de Plaisted e Peterson (1959), tem por característica apenas um parâmetro que faz inferência à estabilidade dos genótipos avaliados. Sendo que o parâmetro do método de Wricke (1965) é denominado de ecovalência (ꞷi) e pode ser estimado por meio da decomposição e da soma dos quadrados da interação entre genótipos x ambientes, nas partes devidas a genótipos isolados. Por meio dessa metodologia, são considerados estáveis os genótipos que exibem baixos valores de ꞷi, o qual indica que eles expressam desvios menores em relação aos ambientes. É uma medida apropriada para expressar a imprevisibilidade do genótipo avaliado.


Esse método é similar ao de Plaisted e Peterson (1959), em suas vantagens e desvantagens, sendo de certa forma correlacionados. Isso ocorre, uma vez que, pelo método de Wricke (1965) e Plaisted e Peterson (1965), o parâmetro da estabilidade é estimado pela decomposição da SQGxA e ga2, respectivamente. Alguns estudos revelam alta correlação entre os dois métodos, ou seja, os genótipos selecionados pelo parâmetro de estabilidade são semelhantes entre os dois métodos.


Aplicação do método:



Para visualizar o conteúdo completo, torne-se usuário PREMIUM

Autor(a)

Murilo Vieira Loro

FOTOS MAIS ACESSADAS:
VOCÊ PODE GOSTAR: