Plantas de coberturas indicadas para a região Centro-Norte Publicado em:

Neste Material você vai entender um pouco mais sobre:

  • Crotalaria spectabilis

  • Brachiaria ruziziensis

  • Milheto (Pennisetum glaucum)

Plantas de cobertura são muito utilizadas na entressafra. Essas plantas são importantes na melhoria de atributos físicos, químicos e biológicos do solo, além de agregar matéria orgânica ao sistema, e em alguns casos, usadas no manejo de diversos patógenos.


 

Crotalaria spectabilis

 Origem: Ásia central

Leguminosa arbustiva anual de verão, muito utilizada para repelência de nematoides em áreas infestada, destaca-se pela alta produtividade de biomassa juntamente com a alta capacidade de fixação de N. Utiliza-se em média 20 kg de sementes por hectare, produzindo em média de 4 a 8 t ha-1 de matéria seca. Possui hábito de crescimento ereto, chegando a 1,5 m de altura, e seu ciclo tem duração de 170 a 180 dias.

 

Brachiaria ruziziensis (Syn. Urochloa)

 

Origem: África

A espécie Brachiaria ruziziensis é mais sensível quanto a temperaturas baixas e períodos de baixa precipitação. Possui hábito de crescimento cespitoso, alta capacidade de produção de biomassa com média de 12 a 16 t ha-1 de matéria seca. Pesquisas indicam que a palhada da B. ruziziensis com uma média de palhada produzida de 12,3 t ha-1 pode ciclar em torno de 25 kg ha-1 P2O5 e 33 kg ha-1 K2O (Betta et al. 2008). Diferente das demais plantas de cobertura onde a taxa de semeadura é determinada em quilogramas de semente por hectare, para a B. ruziziensis é utilizado o método do Ponto de Valor Cultural (PCV). Dessa forma, a quantidade de PVC utilizada para a semeadura varia de 350 à 550, onde tal índice dividido pela porcentagem do Valor Cultural do lote de sementes adquirido, determina a quantidade de semente a ser utilizada por hectare, conforme a seguinte fórmula kg/ha = PVC / %VC.

 

Milheto (Pennisetum glaucum)

 

Origem: África

Gramínea anual de verão, hábito de crescimento cespitoso e ereto, com ciclo médio de 130 dias. Possui grande rusticidade, resistência a secas, não sendo exigente em fertilidade do solo, possui crescimento rápido e grande capacidade de produção de biomassa. A densidade recomendada para a semeadura da espécie gira em torno de 20 kg ha-1. Deve ser dessecada na fase de pré florescimento que acontece com em torno 45 a 50 dias, produzindo em média 8 a 15 t ha-1 de matéria seca. Possui também elevada capacidade de ciclagem de nutrientes, onde com uma produção de matéria seca de 7,1 t ha-1 cicla cerca de 122 kg ha-1 N, 16 kg ha-1 P, 124 kg ha-1 K, 26 kg ha-1 Ca e 17 kg ha-1 Mg na palhada que permanece no solo (Pereira Filho et al. 2003 extraído de Marques et al. 2002).

 

 


Referências 

ALVIM, Maurílio José; BOTREL, M. de A.; XAVIER, Deise Ferreira. As principais espécies de Brachiaria utilizadas no País. Juiz de Fora MG: Embrapa Gado de Leite, 2002.

BETTA, Marconi et al. Efeito da Brachiaria ruziziensis sobre a ciclagem do P, K e produtividade da soja. In: Embrapa Solos-Artigo em anais de congresso (ALICE). In: REUNIÃO BRASILEIRA DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DO SOLO E DA ÁGUA, 17., 2008, Rio de Janeiro. Manejo e conservação do solo e da água no contexto das mudanças ambientais. Rio de Janeiro: SBCS: Embrapa Solos: Embrapa Agrobiologia, 2008. (Embrapa Solos. Documentos, 101)., 2008.

CALEGARI, A. Plantas de cobertura: Manual técnico. Londrina: IAPAR, 2016.

GERMIPASTO Sementes de Pastagens. Informativo Germipasto: Boas praticas na reforma de pastagens. Disponível em: < http://www.germipasto.agr.br/upload/semente_imagem/1286219541.pdf>. Acesso em: 28 de Fevereiro de 2020.

GERMIPASTO Sementes de Pastagens. Informativo Germipasto: Boas praticas na reforma de pastagens. Disponível em: < http://www.germipasto.agr.br/upload/semente_imagem/1286219541.pdf>. Acesso em: 28 de Fevereiro de 2020.

PEREIRA FILHO, Israel Alexandre et al. Manejo da cultura do milheto. Embrapa Milho e Sorgo-Circular Técnica (INFOTECA-E), 2003.

 

Autor(es)