A cultura do tomate Publicado em:

Cuidados na produção de tomate 

 

Neste material, você vai conhecer um pouco mais sobre:

  • Características do tomateiro
  • Exigências para o cultivo
  • A importância do cálcio e do boro

A produção brasileira de tomate situa-se em torno de 4,3 milhões de toneladas, com área plantada de 61,5 mil hectares, sendo dividida em dois grandes grupos de acordo com a finalidade da produção: “tomate rasteiro”, para indústria, e “tomate tutorado ou estaqueado”, para consumo in natura.

Conheça o tomateiro

A planta de tomate pertence à família das Solanáceas e apresenta caule semi-lenhoso e piloso, sendo que esses pelos (tricomas) têm função de reduzir perdas de água, proteção quanto à herbivoria e até mesmo atração de polinizadores (ARAGÃO et al., 2000).
A inflorescência é formada por flores hermafroditas, que variam em número de 5 a 10 por rácemo ou cacho (LOZANO et al., 2009), porém, apesar das características do tomateiro permitirem a autopolinização espontânea, a transferência de pólen realizada por insetos polinizadores aumenta a produtividade e a qualidade dos frutos (DEPRÁ; GAGLIANONE, 2014).

Exigências do tomateiro


A grande disponibilidade de cultivares permite o cultivo do tomate em diversas condições de clima. Porém, a temperatura ótima para germinação das sementes do tomateiro situa-se na faixa dos 15 a 25 ºC. Já para o desenvolvimento e para a produção, o tomateiro suporta ampla variação de temperatura (10 a 34 ºC). Tanto o desenvolvimento da planta como a quantidade de açúcares no tomate são influenciados pela radiação solar. Baixos níveis de luminosidade na fase de desenvolvimento da planta são responsáveis pela maior incidência de frutos ocos e também pela redução dos açúcares. 
Em termos de umidade, a floração e a frutificação são os estádios mais críticos do tomateiro, nos quais o suprimento adequado de água é de extrema importância para uma produção adequada.

Figura 1. Informações importantes para o cultivo de tomate
Figura 1. Informações importantes para o cultivo de tomate

Cuidados na nutrição: cálcio e boro

Para o tomateiro, é importante considerar a suplementação com cálcio. O sintoma de deficiência de cálcio, conhecido como “podridão apical”, “podridão estilar” ou, ainda, “fundo-preto” (Figura 2), inicia com a flacidez dos tecidos da extremidade dos frutos, que evolui para uma necrose deprimida, seca e negra (BRESOLIN et al., 2010). 
Geralmente, qualquer fator que diminua o suprimento de cálcio, ou interfira em sua translocação para o fruto, pode provocar deficiência (SILVA et al., 2006), por exemplo, irregularidades no fornecimento de água, altos níveis de salinidade no solo e/ou substrato, uso de cultivares sensíveis, pH baixo e altas taxas de crescimento e de transpiração podem contribuir para o aparecimento do sintoma (SILVA et al., 2006).

Figura 2. O sintoma de deficiência de cálcio, em tomate Fonte: Schwab (2020).
Figura 2. O sintoma de deficiência de cálcio, em tomate Fonte: Schwab (2020).

O Boro é outro elemento que deve ser observado para a nutrição do tomateiro. Em situações de deficiência, os frutos apresentam manchas necróticas de coloração marrom, principalmente perto do pedúnculo, e não desenvolvem totalmente a coloração vermelha (Figura 3). As paredes do fruto tornam-se assimetricamente deprimidas, e os lóculos abrem-se (SILVA et al., 2006). Vale lembrar que as rachaduras de fruto podem ter sua origem no excesso de umidade do solo ou na irrigação abundante, seguido de um período de estresse hídrico.

Figura 3. Sintomas de deficiência de Boro Fonte: Schwab (2020).
Figura 3. Sintomas de deficiência de Boro Fonte: Schwab (2020).

Referências 
ARAGÃO, C. A.; DANTAS, B. F.; BENITES, F. R. Tricomas foliares em tomateiro com teores contrastantes do aleloquímico 2-tridecanona. Scientia Agricola, v. 57, n. 4, p. 813-816, 2000.
BRESOLIN, M. et al. O cultivo do tomate indústria na região da Serra do Nordeste do Estado do Rio Grande do Sul.  Porto Alegre: FEPAGRO; Caxias do Sul, RS: UCS, 2010. (Boletim técnico FEPAGRO).
DEPRÁ, M. S.; GAGLIANONE, M. C. Importância da conservação florestal para manutenção de polinizadores em cultivos de tomate. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE POLINIZAÇÃO, 1., 22 a 24 de setembro de 2014, Universidade Federal de São Carlos, campus Araras. Anais [...]. São Carlos, SP: Editora Cubo, 2014.
LOZANO, R.; GIMÉNEZ, E.; CARA, B.; CAPEL, J.; ANGOSTO, T. Genetic analysis of reproductive development in tomato. International Journal of Developmental Biology, v. 53, p. 1635-1648, 2009.
SILVA, J. B. C. et al. Cultivo de tomate para industrialização. Embrapa Hortaliças, Sistemas de Produção. 1. - 2. ed.  Versão Eletrônica: Embrapa, dez. 2006. Disponível em: https://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Tomate/TomateIndustrial_2ed/index.htm.

 

Confira Também! 

Autor(es)