Nabo como veículo de mofo-branco Publicado em:

O nabo forrageiro é uma cultura suscetível ao mofo-branco, podendo servir para a disseminação de escleródios de mofo-branco (Sclerotinia sclerotiorum) junto aos lotes de sementes.

Mofo-branco

O mofo-branco, transmitido pelo fungo [Sclerotinia sclerotiorum (Lib.) de Bary], também conhecido como podridão-de-sclerotinia, é atualmente uma das doenças mais graves na cultura da soja. O fungo pode atacar mais de 650 espécies de hospedeiras, com destaque especial para soja, feijão, girassol, nabo forrageiro e algodoeiro. A sobrevivência do fungo se faz por meio de estruturas de resistência denominadas escleródios, que seconstituem como a principal forma de disseminaçãodeste fungo. Assim a falta de cuidados fitossanitários, como o uso de sementes infectadas desempenha papel importante para a disseminação de mofo-branco.

Escleródios

Os escleródios são considerados uma das formas de associação do patógeno com as sementes e devem ser identificados durante os testes de sanidade de sementes (Figura 1). A análise pureza das sementes incluem a detecção de S. sclerotiorum através da inspeção visual da amostra ou pelo método de incubação em substrato de papel, segundo as Regras para análises de sementes vigentes (BRASIL, 2009a). Durante a inspeção visual deve-se submeter as porções de sementes ao peneiramento com malha de tamanhos variados, coletando os escleródios obtidos em separado. Os resultados devem ser expressos em número de escleródios por peso de amostra (BRASIL, 2009b).

Figura 1 – Escleródios de mofo-branco encontrados em lotes de sementes de nabo forrageiro

Nabo forrageiro contaminado com escleródios

O nabo forrageiro (Raphanus sativus L. var. oleiferus Metzg.) tem sido considerado veículo de dispersão de mofo-branco para novas áreas, empregado nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste como adubo verde de inverno ou planta de cobertura (Figura 2).

Figura 2 – Sementes de nabo forrageiro

 

A presença de escleródios em lotes de sementes (Figura 3) exige atenção já que estas estruturas apresentam-se de tamanho similiar às sementes. As figuras abaixo provém de um lote de sementes de nabo forrageiro com cerca de 25% do volume contaminado com escleródios.

Figura 3 - Sementes de nabo-forrageiro contaminado com escleródios de Sclerotinia sclerotiorum

 

Para que sejam evitados problemas de disseminação de doenças através das sementes de nabo forrageiro é fundamental a utilização de sementes de qualidade. São grandes os desafios para a obtenção e a comercialização de lotes de boa qualidade devido à escassez de informações sobre o beneficiamento de sementes de nabo forrageiro.

Para atender os padrões mínimos de pureza e germinação para comercialização de sementes certificadas de nabo forrageiro, indica-se que os lotes sejam beneficiados em máquina de ar e peneiras e mesa de gravidade, pois são equipamentos eficientes para a separação em frações com qualidade física e fisiológica distintas (NERY ET AL., 2009). Para a espécie os padrões para produção e comercialização de sementes encontram-se na tabela abaixo (BRASIL, 2008):

 

Tabela 1- Padrões para produção e comercialização de sementes de nabo-forrageiro:

 

Espécie

Peso máximo do lote (kg)

Peso mínimo da amostra (g)

Sementes puras (% mínima)

Germinação (% mínima)

Nome cientifico

Nome comum

Básica

C11e C22

S13e S24

Básica

C11e C22

S13e S24

Raphanus sativus

Nabo-forrageiro

10.000

300

98,0

98,0

98,0

60

60

60

1 Semente certificada de primeira geração

2 Semente certificada de segunda geração

3 Semente de primeira geração

4 Semente de segunda geração

 

REFERÊNCIAS:

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes / Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. – Brasília: Mapa/ACS, 2009a. 399 p.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manual de Análise Sanitária de Sementes / Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. – Brasília: Mapa/ACS, 2009b. 200 p.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa Nº30, DE 21 DE MAIO DE 2008. Diário da União de 23/05/2008, Seção 1, Página 45. Disponível em: http://extranet.agricultura.gov.br/sislegis-consulta/consultarLegislacao.do?operacao=vizualiar&id=18678

Nery, Marcela Carlota, Carvalho, Maria Laene Moreira de, Oliveira, João Almir, & Kataoka, Verônica Yumi. (2009). Beneficiamento de sementes de nabo forrageiro. Revista Brasileira de Sementes, 31(4), 36-42.

 

Autor(es)