Mancha angular: conheça uma das principais doenças do feijoeiro Publicado em:

Neste material, você vai saber mais sobre:

  • A importância dessa doença na cultura do feijão
  • Os danos causados pela doença
  • Os sintomas
  • As formas de controle 

O agente causal da doença é o fungo Pseudocercospora griseola (Sacc) Ferr. Quanto mais precoce for o seu aparecimento na cultura, maiores poderão ser os prejuízos ocasionados. Em cultivares suscetíveis, as perdas na produção são estimadas em até 80%, mostrando a importância desse patógeno para a cultura do feijão.

A mancha angular está distribuída em quase todas as regiões onde se cultiva o feijoeiro comum, porém, é mais problemática em regiões com períodos de temperatura moderada associada à alta umidade e à presença de inóculo durante todo o ciclo do feijoeiro.

Dessa forma, a mancha angular é típica de regiões tropicais e subtropicais, como a América Latina e a África.

 

Sintomas de mancha angular em feijão


Os sintomas da doença são encontrados em folhas, caule e vagens. Nas folhas iniciais, as lesões são circulares, de coloração castanha ou marrom-avermelhada. Já nos trifólios, as lesões mostram-se acinzentadas e de formato irregular, que ao se desenvolverem adquirem coloração escura, ficando limitadas entre as nervuras, como podemos observar nas imagens a seguir.

Quando o número de lesões é muito grande, elas coalescem, a folha necrosa e cai.

Imagem 1. Sintomas de mancha angular (Pseudocercospora griseola) em feijão, mostrando as lesões limitadas entre as nervuras

No caule, ramos e pecíolo, observam-se lesões alongadas e escuras (Imagem 2).


Imagem 2. Sintomas de mancha angular (Pseudocercospora griseola) em ramos de feijão
Imagem 2. Sintomas de mancha angular (Pseudocercospora griseola) em ramos de feijão

Já nas vagens, as lesões são castanho-escuras e arredondadas (Imagem 3). A mancha angular diferencia-se da antracnose, pois suas lesões não são deprimidas e não apresentam o centro mais claro.

Imagem 3. Sintomas de mancha angular (Pseudocercospora griseola) em vagem de feijão
Imagem 3. Sintomas de mancha angular (Pseudocercospora griseola) em vagem de feijão

 O patógeno ainda pode infectar a semente por meio do hilo, reduzindo a germinação e o desenvolvimento das plântulas, mostrando-se um problema desde o início do ciclo do feijão.

Como já citado, o fungo prefere temperaturas amenas, onde o ótimo se encontra em 24°C. Na entressafra, esse sobrevive por meio de sementes e restos culturais, e sua disseminação se dá pelo vento, respingos de chuva e partículas de solo. 

Controle de P. griseola

Para o controle de P. griseola, o primeiro passo é buscar sementes de qualidade, livres do patógeno, para evitar a presença de inóculo desde o início do ciclo e a introdução de novas raças, pois já foram identificadas mais de 29 raças do patógeno no Brasil.

Eliminar restos culturais, fazer uma rotação de culturas e evitar cultivos consecutivos de feijão na mesma área são mais medidas que podem ser tomadas para desfavorecer a ocorrência da doença; assim como, escolher a época de semeadura com base no histórico de ocorrência de mancha angular na lavoura, observando o espaçamento e a densidade de semeadura, e evitando a formação de um microclima favorável ao patógeno.

O controle químico também pode ser utilizado, havendo hoje pouco mais de 180 produtos registrados, a grande maioria pertencente ao grupo químico das estrobirulinas, triazóis, ditiocarbamatos e isoftalonitrila.

 

 

Confira também!

Autor(es)