Enzimas do solo e ciclagem de nutrientes: uma visão geral Publicado em:

Enzimas relacionadas à ciclagem de nutrientes

Neste material, você vai entender um pouco mais sobre:

  • O que são enzimas do solo
  • As principais enzimas do solo
  • A relação entre as enzimas do solo e a ciclagem de nutrientes

O que são enzimas do solo

    As enzimas são catalizadoras das reações metabólicas que ocorrem nos seres vivos, ou seja, reações intracelulares (que ocorrem no interior da célula).

Clique aqui e relembre, detalhadamente, a definição de enzima do solo 

No entanto, existem também as enzimas extracelulares – essas atuam em várias reações que resultam na decomposição de resíduos, na ciclagem de nutrientes, na formação da matéria orgânica e na estrutura do solo.

As principais enzimas do solo

    Existem muitas enzimas no solo, as quais podem ser produzidas por plantas, animais e, principalmente, microrganismos. A atividade das enzimas no solo é influenciada por vários fatores do solo, como a temperatura, o pH, o teor de carbono orgânico, o teor de nutrientes e outros. Assim, esses fatores modulam a ação das enzimas.
    Devido à habilidade das enzimas em se moldar ao ambiente, essas são consideradas um indicativo da atividade biológica ou da intensidade de determinado processo bioquímico (BALOTA, 2017). Assim, neste material, vamos entender um pouco melhor a ligação das enzimas celulase, urease, arilsulfatase, ?-glicosidase e fosfatase com a ciclagem de nutrientes. 

A relação entre as enzimas do solo e a ciclagem de nutrientes


    Celulase: a celulose é uma cadeia de polissacarídeos formada por moléculas de glicose. A celulose é encontrada em resíduos vegetais de plantas. A degradação dos resíduos vegetais depende da ação da celulase, que atua na hidrólise da celulose. Assim, a atividade dessa enzima está relacionada ao ciclo do carbono no solo (Figura 1).

Urease:

a ureia é um dos principais fertilizantes nitrogenados utilizados na agricultura. No entanto, para que o nitrogênio possa ser absorvido pelas raízes das plantas, ele precisa estar na forma amoniacal. Essa transformação é mediada pela ação da enzima urease, por isso sua atividade está relacionada ao ciclo do nitrogênio no solo (Figura 1).

Arilsulfatase:

grande parte do enxofre no solo encontra-se na forma de ésteres de sulfato ligados à matéria orgânica do solo. Para que o enxofre seja absorvido pelas raízes das plantas, ele precisa estar na forma de SO4-2. A mineralização de ésteres de sulfato para SO4-2 depende da ação da enzima arilsulfatase. Por isso, essa enzima possui relação com o ciclo do enxofre no solo (Figura 1).

B-glicosidase:

como visto anteriormente, a celulose é componente de resíduos vegetais. A celulose sofre a ação da celulase, posteriormente, ocorre a quebra do produto resultante da ação dessa enzima pela enzima ?-glicosidase, resultando em moléculas de glicose, fornecendo energia para os microrganismos do solo. Assim, a degradação da celulose depende da ação de duas enzimas, a celulase e a ?-glicosidase. Com isso, a atividade da ?-glicosidase está relacionada ao ciclo do carbono no solo (Figura 1).

Fosfatase:

uma parte do fósforo que está presente no solo está ligada a compostos orgânicos (matéria orgânica do solo). Sua disponibilização para as plantas depende do processo de mineralização. Nesse processo, atua a enzima fosfatase. Por isso, a atividade da fosfatase está relacionada ao ciclo do fósforo no solo (Figura 1).
     Além dessas enzimas, existem outras, as quais possuem papel importante na ciclagem de nutrientes e na ativação da biota do solo. Neste texto, vimos brevemente algumas enzimas, algumas delas já foram aprofundadas em textos mais completos, disponíveis na plataforma Elevagro, outras serão detalhadas nos próximos textos.

Figura 1: Enzimas do solo e qual a sua participação no ciclo dos nutrientes. Fonte: elaborado pela autora.
Figura 1: Enzimas do solo e qual a sua participação no ciclo dos nutrientes.
Fonte: elaborado pela autora.

Referência

BALOTA, E. L. Manejo e qualidade biológica do solo. Londrina: Mecenas, 2017.

 

Confira também!

Autor(es)