Reflexos da seca no Sul do Brasil

Publicado em: 04/02/2022
Compartilhe:

Resultados do Boletim Adverso da Emater/RS-Ascar

Recentemente a Emater/RS-Ascar divulgou o Boletim Evento Adverso 02, com a atualização dos prejuízos da seca no estado do Rio Grande do Sul. Nele, consta que mais de 9 mil localidades e mais de 253 mil propriedades sofreram danos pela estiagem no estado. Somam-se ainda 21 mil famílias que estão em situação de dificuldade no acesso à água.

O milho é a cultura mais afetada, com  quase 93 mil produtores relatando perdas na produção de grãos. A soja não fica muito atrás neste índice, tendo aproximadamente 82 mil produtores com redução na produção nesta safra. No gráfico a seguir veremos os números de produtores, por atividade, que foram atingidos pela estiagem no Rio Grande do Sul.

numero-de-produtores-por-atividade-atingidos-pela-estiagem-no-rio-grande-do-sul-emater-rs-ascar
Figura 1: Número de produtores por atividade atingidos pela estiagem no Rio Grande do Sul. Fonte: Emater/RS-Ascar, disponível em: http://www.emater.tche.br/site/arquivos_pdf/safra/safraTabela_24012022.pdf.

Perdas em lavouras de milho pela estiagem

Os maiores impactos da seca em lavouras de milho destinadas à produção de grãos no Rio Grande do Sul estão nas regiões de Erechim, Frederico Westphalen, Ijuí, Passo Fundo, Santa Rosa e Soledade, onde os danos podem comprometer 65% da produção estimada no início da safra. O Boletim Adversidade da Emater/RS-Ascar destaca a região de Frederico Westphalen, onde as perdas em produtividade passam de 65%.

Para o milho destinado à silagem, a estiagem comprometeu a produtividade e também a qualidade das plantas. As perdas variam de 16,2% na região de Porto Alegre até 65% na região de de Ijuí.

Perdas em lavouras de soja pela estiagem

A soja, assim como o milho, segue sendo impactada pela seca estabelecida no Rio Grande do Sul, com perdas médias de produtividade que variam de 25% a 45%. Porém, em Santa Rosa e região, a redução média da produção é maior que 45% da estimativa inicial da safra 2021/22.

Perdas em lavouras de feijão pela estiagem

Para o feijão, as perdas vão de 5% a 95%, dependendo do local da lavoura. As maiores perdas se localizam em Ijuí e somam mais de 60% da produção. Nas últimas semanas houve um acréscimo dos danos no cultivo de feijão nas regiões de Pelotas, Bagé e Erechim.

Informações atualizadas são publicadas a cada quinta-feira no site da Emater/RS >> http://www.emater.tche.br/site/info-agro/acompanhamento_safra.php#.Yfk5BerMLIU

Seca e os pedidos de Proagro e Seguro Rural   

O Proagro e o seguro rural tiveram mais de 81 mil acionamentos em função da seca. São mais de 5 bilhões de reais em indenizações em análise, somando Proagro e seguros. Os estados do Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e São Paulo lideram os pedidos, onde as culturas mais afetadas são a soja e o milho.

Segundo a contabilização feita pela Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), são 42.541 apólices de seguro rural acionadas e 38.906 comunicados de perdas (COPs) realizados no Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) na atual safra de verão, até o dia 20 de janeiro. Os dados são das Companhias Seguradoras habilitadas no Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) do Mapa e do Banco Central do Brasil, autarquia responsável pelo Proagro.

Além da soja e do milho, outras atividades sofrem com perdas pela falta de chuva, como o feijão, arroz, cana, frutas, verduras, pecuária de leite e apicultura, em diversas regiões dos estados do Paraná, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e São Paulo.

A soja lidera os acionamentos de seguro com quase 37 mil acionamentos (32% das apólices sinistradas) e 22,2% da área afetada contratada com seguro, que equivale a 1,7 milhão de hectares que serão vistoriadas pelas seguradoras. Dos estados afetados, o Paraná é líder com 30.916 acionamentos, o Rio Grande do Sul é o segundo colocado com 4.375 e o Mato Grosso do Sul ocupa o terceiro lugar com 3.160.

A realização de seguros por parte dos produtores rurais, de janeiro de 2019 até novembro de 2021, gerou o equivalente a R$ 9,5 bilhões em indenizações, o que evita a renegociação de milhares de reais em dívidas e mostra a relevância dos seguros e de programas como o Proagro na manutenção das propriedades rurais. Isso garante maior segurança e proteção na ocorrência de adversidades que prejudicam a produtividade das lavouras.

Veja mais detalhes sobre o Proagro e o Seguro Rural na reportagem completa disponível no Dia Rural >> https://diarural.com.br/proagro-e-seguro-rural-tiveram-mais-de-81-mil-acionados-devido-a-seca/

Referências

Efeito da estiagem nas principais atividades agrícolas do Rio Grande do Sul - Porto Alegre (RS), nº 2, 24 de janeiro de 2022. Elaborado pela Gerência de Planejamento/GPL e Gerência Técnica/GET. Emater/RS-Ascar. Disponível em: http://www.emater.tche.br/site/arquivos_pdf/safra/safraTabela_24012022.pdf.

Informativo Conjuntural / elaboração, Emater/RS-Ascar. Gerência de Planejamento. Núcleo de Informações e Análises. Porto Alegre:
Emater/RS-Ascar, 2022. Disponível em: http://www.emater.tche.br/site/arquivos_pdf/conjuntural/conj_27012022.pdf.

Autor(a)

Caroline Maria Rabuscke

MATERIAIS MAIS ACESSADOS:
VOCÊ PODE GOSTAR: