Acompanhe as últimas mudanças no preço do milho

Publicado em: 17/02/2022
Compartilhe:

O mercado brasileiro de milho vem registrando preços de estáveis a mais baixos desde o início de novembro. De acordo com o levantamento semanal da Emater/RS-Ascar, o preço médio do milho no estado do Rio Grande do Sul atingiu o valor de R$ 79,90/sc na semana do dia 26 de novembro. 


Houve uma redução de 0,36% quando comparado ao valor da saca na semana anterior. O que é uma alteração pouco expressiva. Todavia, ao estender esta análise para o mês de outubro, a situação já é diferente. E o cenário muda completamente quando a comparação é com o valor da saca há um ano.

De acordo com os dados históricos apresentados pela Emater para o Rio Grande do Sul, a saca de 60kg de milho custava R$ 80,19 na semana do dia 19 de novembro de 2020, R$ 69,15 no mês anterior e, R$ 35,76 em 28 de novembro de 2019. Em um ano, tivemos um aumento de 223% no valor da saca de milho, ou seja, para os gaúchos o valor mais que duplicou.

Em contrapartida, a média histórica dos anos de 2015 a 2019, apontam para o mês de novembro o valor médio de R$ 38,11 por saca, não muito longe da média geral, que é de R$ 36,83. 

No estado do Mato Grosso do Sul, de acordo com os dados apresentados no Boletim Casa Rural n° 385, o preço da saca do milho, desvalorizou 2,8% entre os dias 16 e 23 de novembro, encerrando o período no valor de R$ 69,50. Em comparação com este mesmo mês no ano anterior, houve um aumento de 109,15%, quando o cereal estava sendo cotado na época, em média, a R$ 34,23/sc.


Para o estado do Mato Grosso, os dados publicados pelo Imea – Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária em seu último boletim semana (n° 629), apontaram pequenos aumentos no valor do saco de milho, variando de 1,03 a 2,8% de acordo com a cidade. No dia 19 de novembro chegou a R$ 63,90 em Diamantino e a R$ 66,00 em Campo Verde.

Segundo o Cepea – Centro de Estudo Avançados em Economia Aplicada, um dos fatores responsáveis pelo aumento tão grande no valor do milho é a retenção do produto por parte dos vendedores, que esperam preços maiores e preferem manter seus estoques. A manutenção do interesse do comprador e a expectativa de menor produção de milho safrinha, bem como do volume total produzido no país, também sustentam a alta dos preços em pleno período de colheita.

Fontes consultadas

Informativo Conjuntural n° 1634, de 26 novembro de 2020. Emater/RS-Ascar. Gerência de Planejamento. Núcleo de Informações e Análises. Porto Alegre: Emater/RS-Ascar, 2020.

Relatório semanal de preços por município/RS. Período: 23/11/2020 a 27/11/2020. Emater/RS-Ascar. Gerência de Planejamento. Núcleo de Informações e Análises. Porto Alegre: Emater/RS-Ascar, 2020.

Boletim Semanal – Milho. 23 de novembro de 2020/ nº 629. Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea). Cuiabá/MT. 2020

CEPEA - Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada. Departamento de Economia, Administração e Sociologia. ESALQ - Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. USP - Universidade de São Paulo. Banco de dados. Piracicaba, SP Brasil. Disponível em: https://www.cepea.esalq.usp.br/br/consultas-ao-banco-de-dados-do-site.aspx. Acesso em 26 nov. 2020.

Boletim Casa Rural – Agricultura Ed. nº 385/2020 | Novembro. FAMASUL – Federação da Agricultura e Pecuária Mato Grosso do Sul.


Autor(a)

Caroline Maria Rabuscke

MATERIAIS MAIS ACESSADOS:
VOCÊ PODE GOSTAR: